Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Necrobótica”: Aranhas mortas viram garras mecânicas em laboratório.

Com uma seringa cheia de ar, pesquisadores acionaram uma câmara que comanda a movimentação das pernas das aranhas.

Por Luisa Costa Atualizado em 27 jul 2022, 17h38 - Publicado em 27 jul 2022, 17h37

O laboratório de Daniel Preston, na Universidade Rice (Estados Unidos), está cheio de pequenos cadáveres de aranhas-lobo. Ele e a estudante de engenharia Faye Yap transformaram os aracnídeos em garras mecânicas, dando início à chamada “necrobótica” – junção de “necro”, cadáver ou morte, e “robótica”.

“O conceito de necrobótica aproveita designs únicos criados pela natureza que podem ser complicados ou até impossíveis de replicar artificialmente”, eles explicam no estudo publicado na última segunda-feira (25) na revista Advanced Science.

Os pesquisadores inseriram uma seringa no cadáver para injetar ou retirar ar de uma câmara próxima à cabeça das aranhas, que comanda a movimentação de suas pernas. Assim, mostraram que uma aranha morta poderia manusear objetos pequenos e eletrônicos delicados – e suportar o peso de outra aranha do mesmo tamanho. Confira o vídeo:

As aranhas funcionariam como garras mecânicas e poderiam ser usadas na manipulação de microdispositivos eletrônicos. Como são biodegradáveis, reduziriam a quantidade de resíduos na robótica.

Continua após a publicidade

Uma desvantagem do mecanismo é que a aranha começa a sofrer desgastes após mil ciclos de abertura e fechamento das pernas. “Achamos que isso está relacionado a problemas de desidratação das articulações”, explica Preston em comunicado. “Achamos que podemos superar isso aplicando revestimentos poliméricos [ao cadáver].”

Aranhas e pressão hidráulica

O projeto começou em 2019. Na época, Faye prestou atenção em uma aranha morta no chão da universidade, que estava com as pernas curvadas, e se perguntou por que o animal ficava nessa posição. A resposta está em sua anatomia.

As aranhas não têm pares de músculos opostos, como nós. Em humanos, o bíceps e o tríceps, por exemplo, trabalham em conjunto para dobrar e estender o braço. As aranhas só têm músculos flexores (que permitem que suas pernas dobrem), e o resto do trabalho é feito por pressão hidráulica.

Uma câmara perto da cabeça se contrai para enviar sangue aos membros, e assim os força a se estender. Quando a pressão é aliviada, as pernas se contraem. Após a morte, o animal perde a capacidade de pressurizar ativamente seu corpo, por isso fica enrolado.

Faye e Preston acharam esse mecanismo interessante e deram início ao trabalho recém-publicado – inserindo uma seringa nesta câmara secreta de movimentação do aracnídeo para ativar a pressurização do corpo.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
“Necrobótica”: Aranhas mortas viram garras mecânicas em laboratório.
Com uma seringa cheia de ar, pesquisadores acionaram uma câmara que comanda a movimentação das pernas das aranhas.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade