Clique e assine a partir de 5,90/mês

Os elefantes estão sumindo na África

Por causa da caça, a população de elefantes diminuiu 30% em sete anos

Por Helô D'Angelo - Atualizado em 31 out 2016, 18h59 - Publicado em 2 set 2016, 20h30

Elefantes são dos bichos mais interessantes. Eles têm uma memória incrível, se relacionam com suas famílias quase como os seres humanos, quase não têm câncer e são ótimos nadadores. Mas eles também têm algo que acende a cobiça em caçadores do mundo todo: presas de marfim. Por causa da caça, nos últimos 7 anos, a população de elefantes na África inteira diminuiu 30% – são 144 mil elefantes a menos na Terra entre 2007 e 2014.

Os números são do Great Elephant Census (ou Grande Censo de Elefantes), o maior relatório já publicado sobre o assunto – e o mais caro: custou US$ 7 milhões, tirados do bolso do cofundador da Microsoft, Paul Allen. 

Em 2014, 90 cientistas e 286 outros trabalhadores sobrevoaram a África em dúzias de aviões para contar as populações de elefantes. Eles cobriram, em 10 mil horas, cerca de 500 mil km (mais do que a distância da Terra à Lua, que é de 384 mil km), e conseguiram contar 352.271 elefantes, mais da metade deles em Botswana e no Zimbábue – três países ficaram fora do censo por causa de conflitos armados: o Sudão do Sul, a República Centro-Africana e a Namíbia.

Os números encontrados são preocupantes. Antes da colonização europeia, os cientistas estimam que a África abrigava 20 milhões de elefantes – uma contagem que caiu para 1,3 milhão em 1979. De acordo com as previsões do censo, ainda vai piorar: se nada mudar, em 2025, o número de elefantes deve chegar a apenas 160 mil.

O problema é mesmo a caça em busca do marfim, um tipo de exploração violenta dos paquidermes. Segundo o censo, para conseguir as presas, os caçadores arrancam o rosto dos elefantes e deixam o resto do corpo no local para apodrecer – e isso é frequente: em apenas 2 dias, os cientistas encontraram mais de 20 carcaças em um mesmo país. São 12 carcaças para cada 100 elefantes vivos, um nível considerado insustentável para a sobrevivência de qualquer espécie.  

Para salvar os elefantes, os pesquisadores alertam que não basta ter pena: os governos de países africanos e de fora do continente precisam banir todo o comércio de marfim – como o Quênia fez no início do ano. E se preocupam: “Mesmo se a caça parasse hoje, ainda demoraria décadas para as populações de elefantes se recomporem”, disse David Banks, diretor do programa de conservação da natureza africana, ao The New York Times.

Continua após a publicidade
Publicidade