Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Pesquisadores usam bactérias para criar estruturas vivas em impressora 3D

O primeiro material feito inteiramente de E. coli poderia, no futuro, ser usado para construir objetos que se regeneram

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 1 dez 2021, 15h34 - Publicado em 1 dez 2021, 15h33

As impressoras 3D já foram usadas para imprimir pontes, carnes, órgãos, e agora, uma espécie de gelatina viva. Pesquisadores da Universidade  Harvard criaram uma biotinta feita de bactérias E. coli, que pode ser impressa na forma de um gel. A “receita” da tinta foi publicada no periódico Nature Communications

Essa substância não é a primeira tinta viva. Cientistas já haviam criado géis feitos de diferentes microrganismos em conjunto com polímeros, que ajudam a dar estrutura ao objeto impresso. A diferença é que o novo material não contém polímeros – ele é composto inteiramente de bactérias geneticamente modificadas.

Geralmente os micróbios não são bons em formar estruturas complexas. Por isso, os polímeros são necessários na maioria das biotintas. Só que eles têm algumas limitações: podem alterar as propriedades da tinta ou ser incompatíveis com os microrganismos, causando a morte das células.

Os cientistas modificaram geneticamente as células de E. coli para produzir uma proteína (que é um polímero natural) que torna o material rígido bastante para formar uma estrutura sólida, mas gelatinoso o suficiente para fluir na impressora 3D. Ele pode ser espremido como uma pasta de dente, mas, uma vez impresso, permanece no mesmo formato. 

Se as bactérias forem alimentadas, elas se reproduzem e crescem, produzindo assim mais “tinta”. Segundo o químico Neel Joshi, um dos autores do estudo, o objetivo é que esse material possa se regenerar e se adaptar ao ambiente quando for preciso.

Continua após a publicidade

Por enquanto, os pesquisadores imprimiram apenas formatos simples, como quadrados e círculos. À medida que as camadas são aplicadas, a estrutura assume a forma de uma torre.

 

Estruturas feitas em impressora 3D utilizando bactérias.
Duraj-Thatte et al./Nature Communications/Divulgação

Para testar se a estrutura poderia assumir funções, os pesquisadores misturaram a tinta com outros micróbios modificados para fazer tarefas específicas. Em um dos testes, a biotinta liberou a proteína azurina quando exposta a uma determinada substância química. A azurina está sendo estudada como droga em potencial para o tratamento de câncer. 

Em outro teste, a tinta absorveu o composto tóxico bisfenol A (BPA), utilizado na produção de eletrônicos. Segundo os autores, o material tem potencial para remover outros compostos danosos do ambiente.

A biotinta ainda deve passar por melhoras, e sua aplicação prática ainda está longe de ser realidade. Os pesquisadores pretendem tornar as estruturas impressas ainda mais robustas. A ideia é que, no futuro, possamos ter construções que se regeneram sozinhas. Isso seria particularmente útil em obras na Lua ou em Marte.

Outra aplicação seria incorporar esse material a tecidos e órgãos feitos em laboratório, que possam liberar medicamentos ao corpo de maneira mais eficiente. Os pesquisadores também pretendem testar se a biotinta poderia ser feita de outras bactérias e microrganismos além da E. coli.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
Pesquisadores usam bactérias para criar estruturas vivas em impressora 3D
O primeiro material feito inteiramente de E. coli poderia, no futuro, ser usado para construir objetos que se regeneram

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade