Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que os polvos fêmeas se matam após darem à luz? Este estudo oferece pistas

Os filhotes de polvos são destinados a serem órfãos desde cedo. E a explicação pode estar em um esteroide produzido no corpo da mãe.

Por Maria Clara Rossini 17 Maio 2022, 16h25

O tempo de vida dos polvos varia bastante. Algumas espécies vivem apenas seis meses. Já outras, como o Polvo Gigante do Pacífico, chega aos cinco anos de idade. Só que eles têm uma característica em comum: morrem pouco tempo após o nascimento dos filhotes. As funções vitais do pai vão se deteriorando depois do acasalamento, enquanto a mãe se obriga a ficar sem comer até morrer.

Pesquisadores da Universidade de Chicago e Universidade de Washington estudaram polvos da espécie Octopus bimaculoides, nativos do Oceano Pacífico, para entender como esse mecanismo ocorre nas fêmeas. Os resultados foram publicados no periódico Current Biology.

O processo funciona assim: algumas semanas após o acasalamento, a fêmea põe sua primeira e única ninhada de ovos. Ela fica próxima do ninho, protege os ovos contra predadores e bombeia água para mantê-los oxigenados. Quando os ovos estão próximos a rachar, a mãe para de se alimentar e começa a se mutilar, às vezes comendo partes do próprio corpo.

Já se sabia que as glândulas ópticas dos polvos (semelhantes à glândula pituitária em humanos) são responsáveis por esse comportamento nas fêmeas. Experimentos anteriores já haviam mostrado que, quando as glândulas são removidas, os polvos voltam a se alimentar e até acasalam novamente. A questão era descobrir como elas desencadeiam o comportamento suicida.

Continua após a publicidade

No novo estudo, os cientistas descrevem uma série de mecanismos bioquímicos que são desencadeados após o acasalamento. Um desses leva ao aumento de um composto chamado 7-desidrocolesterol (7-DHC). Segundo os autores, esse precursor do colesterol está envolvido em diversos artifícios, desde a flexibilidade das células até a produção de hormônios do estresse. Aparentemente, ele também é essencial para a última etapa do ciclo de vida do animal.

Para chegar à conclusão, os pesquisadores compararam as glândulas ópticas de fêmeas que já haviam acasalado e as que nunca tinham acasalado. Além de provocar o aumento de progesterona (hormônio da gravidez), o acasalamento também induz a produção de uma enzima que converte colesterol em 7-DHC. Não se sabia que esse esteroide estava relacionado à semelparidade – ou seja, à estratégia de se reproduzir apenas uma vez antes de morrer.

Em humanos, existe uma síndrome genética chamada Smith-Lemli-Opitz, que resulta em concentrações elevadas de 7-DHC. Assim como nos polvos, elas também são tóxicas e podem levar a comportamentos autodestrutivos. “O paralelo mais importante aqui é que, tanto em humanos quanto em polvos, altos níveis de 7-DHC estão associados à letalidade e toxicidade”, disse o autor Z. Yan Wang em entrevista à revista New Scientist.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)