GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Teste criado por australianos detecta câncer em 10 minutos

Pesquisadores afirmam que técnica teve 90% de eficácia para diferentes tipos de tumores

Depois que um tumor é diagnosticado, uma das principais maneiras de determinar sua natureza é fazendo uma biópsia. Ao retirar um pedaço do tecido suspeito para a análise, dá para cravar se ele é benigno (um crescimento anormal das células, mas que não representa riscos para a saúde) ou maligno – no caso, um câncer.

Antes que os primeiros sintomas deem as caras, no entanto, cânceres costumam deixar marcas na corrente sanguínea dos pacientes. Estas podem ser desde pequenos pedaços de DNA mutante até proteínas específicas, que dividem espaço com hemácias e glóbulos brancos.

Foi aproveitando esse comportamento que pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, desenvolveram uma maneira muito mais rápida e menos invasiva de detectar a doença. Tudo acontece a partir de amostras do DNA presente no sangue, e o melhor: com a vantagem do diagnóstico vir em até 10 minutos.

Como você sabe, o DNA é a receita de bolo que determina cada característica do nosso corpo. Cada célula possui uma cópia desse manual em seu núcleo – mas não costuma segui-lo tim-tim por tim-tim. Isso porque células que estão na unha, por exemplo, não precisam ter características de células do fígado. Para se diferenciarem uma das outras, elas contam com estruturas que “leem” a receita e focam a produção apenas nas partes que importam.

Em células saudáveis, quem faz esse trabalho são os grupos metil (um carbono ligado a três átomos de hidrogênio). Tais moléculas impedem a transcrição do DNA, processo ligado à formação de novas proteínas. Cabe às diferentes proteínas, por sua vez, controlar a expressão de genes. Assim, genes que são úteis para as funções de determinada célula ficam ligados. Já para os não ativos, o botão permanece sempre no off.

Em células cancerígenas, porém, esse padrão é subvertido. Ao invés de deixá-los espalhados por toda a célula, a doença concentra os grupos metil apenas em certos pontos. Sem esse controle rígido, genes ligados à reprodução do tumor têm a brecha perfeita para funcionar a todo vapor – fazendo as células tumorais se reproduzirem e agravando o câncer com o tempo.

No teste feito pelos pesquisadores australianos, o DNA suspeito é colocado na água com uma série de nanopartículas de ouro. Por causa do metal dourado, a água assume a cor rosada. Se o DNA adicionado tiver origem em células cancerígenas, as partículas de ouro grudam no material genético, fazendo a água voltar a ser transparente. Se o DNA for de células saudáveis, a cor observada é a azul.

“Você pode detectar a mudança a olho nu – é tão simples quanto parece”, disse Matt Trau, que liderou o estudo, em um comunicado. Testes feitos com 200 amostras de sangue e tecidos de cânceres de mama, próstata, intestino ou linfomas identificaram células tumorais com 90% de eficácia. Ou seja, a cada 100 tumores submetidos à piscina improvisada com sais de ouro, 90 apareciam em até 10 minutos.

De acordo com o que escreveram pesquisadores em um estudo publicado na revista científica Nature Communications, essa afinidade por ouro parece valer também para outros tipos de tumores. A ideia do grupo é fazer com que o diagnóstico seja o mais generalista possível e aplicável como um método auxiliar para detecção de células malignas em humanos.

Além de não ter sido testada com pacientes de verdade, mas apenas tecidos e amostras de sangue com câncer, há ainda outro desafio: a técnica acusa apenas a presença de câncer, e não seu tipo. Hoje, são conhecidas mais de cem variedades da doença.

A tecnologia de analisar o sangue de alguém atrás de vestígios de malignidade não é nova e, inclusive, foi testada com sucesso recentemente. No começo de 2018, cientistas da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, também chegaram a resultados animadores com uma abordagem parecida, o CancerSEEK. O teste analisou amostras sanguíneas de mais de mil pacientes com câncer e chegou a 98% de eficácia no diagnóstico de certos tipos da doença, como o câncer de ovário.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s