Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Tumor raro que afeta humanos até hoje é encontrado em fóssil de dinossauro

A HCL é uma doença rara que aparece principalmente em crianças. E, segundo um novo estudo, também atacava dinossauros.

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 19 fev 2020, 18h19 - Publicado em 19 fev 2020, 18h02

Um fóssil de dinossauro com pelo menos 66 milhões de anos, encontrado na região de Alberta, no Canadá, revelou uma surpresa inesperada: o animal provavelmente tinha um tipo de tumor que até hoje se manifesta nos seres humanos. O fóssil em questão é de um hadrossauro, um tipo de dinossauro herbívoro com até 10 metros de altura que era muito comum entre 66 e 80 milhões de anos atrás.

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, notaram estranhas cavidades nos ossos da cauda do animal. A equipe comparou as lesões com as encontradas em ossos humanos e chegou a conclusão de que elas eram muito parecidas com as de pessoas diagnosticadas com Histiocitose de células de Langerhans (HCL).

A HCL é uma doença rara, caracterizada pelo aparecimento de tumores dolorosos nos ossos ou outros órgãos e que afeta, principalmente, crianças com até 10 anos. Algumas vezes é caracterizada como um tipo de câncer, pois é consequência de um crescimento anormal de células, mas isso não é consenso porque, na maioria dos casos, os tumores desaparecem sozinhos, sem necessidade de tratamento.

Em entrevista à CNN, a pesquisadora Hila May, responsável pelo estudo, explicou que diagnosticar doenças em fósseis é uma tarefa complicada porque condições diferentes podem resultar em marcas parecidas, dificultando um veredito preciso. “A HCL, no entanto, tem uma aparência distinta que se encaixa com lesões encontradas no hadrossauro”, disse.

Análises de tomografia computadorizada recriaram o tumor do dinossauro em um modelo 3D, incluindo os vasos sanguíneos em sua volta, o que permitiu mostrar que, de fato, as lesões em seus ossos muito provavelmente foram causadas por essa doença específica. Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports.

Assaf Ehrenreich/Sackler Faculty of Medicine/Tel Aviv University/Divulgação

É a primeira vez que a doença é encontrada em um dinossauro, mas estudos anteriores já haviam identificado outras doenças, como artrose, nesses animais. O campo de estudo que pesquisa doenças através de restos de animais ou de humanos se chama paleopatologia e vem crescendo nos últimos tempos. Entender como doenças se manifestam em diferentes animais – e diferentes épocas – pode ajudar a medicina a desenvolver melhores tratamentos, por exemplo.

“Quando sabemos que uma doença não depende da espécie ou do tempo, isso significa que o mecanismo que incentiva o seu desenvolvimento não é algo específico do comportamento ou do ambiente humanos, mas sim que é um problema da fisiologia básica do organismo”, explicou May.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês