Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Alexandre Versignassi
Blog do diretor de redação da SUPER e autor do livro "Crash - Uma Breve História da Economia", finalista do Prêmio Jabuti.
Continua após publicidade

Se tudo der certo, o Brasil será da molecada que trabalha

No Brasil real, quase metade dos estudantes do ensino médio trabalha – o dobro do índice observado nos países ricos

Por Alexandre Versignassi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 6 jun 2017, 19h38 - Publicado em 6 jun 2017, 18h34

A história bombou ontem: alunos do último ano do ensino médio num colégio gaúcho organizaram uma festa a fantasia com o tema “se tudo der errado”. E foram para a escola vestidos de atendente do McDonald’s, vendedor de sorvete, diarista.

A coisa serviu para ilustrar uma queixa antiga: a de que brasileiro despreza trabalhos produtivos. E despreza mesmo. Nos andares mais altos da nossa pirâmide social, o único trabalho aceitável é estágio de faculdade. Funções “de entrada” do mercado de trabalho (garçom, operador de telemarketing, vendedor de sapato) são tarefas a ser desempenhadas por escravos – no caso, pelo equivalente moderno a escravo: quem faz trabalhos braçais em troca de R$ 4o, R$ 5o por dia.

Nisso, temos um conflito com o que acontece nos países menos desiguais e mais ricos que o nosso. Nas nações que deram certo, você sabe, estudante trabalha de garçom, de vendedor de sapato, de chapeiro do McDonald’s. E não importa se o sujeito tem dinheiro na conta para comprar a loja do McDonald’s onde passa o dia fritando batata, ou ou se o cidadão é da família real – o rei da Holanda passou décadas de sua vida de príncipe trabalhando anonimamente como piloto da KLM (não que isso seja exatamente um “emprego de entrada”, mas vamos dar um desconto).

Mesmo assim, o fato é que os colégios de classe média alta não representam o Brasil real. Quase metade (44%) dos estudantes brasileiros de 15 anos trabalham antes ou depois das aulas, segundo um estudo do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa). Isso coloca a o Brasil bem à frente da média dos países ricos, que é de 23%. Nos EUA, onde até as filhas de Barack Obama trabalham de vez em quando, só 32% dos estudantes pegaram no batente no último ano. Ou seja: no Brasil de verdade, aquele fora do centro expandido de SP, da zona sul do Rio e das nossas outras bolhas sociais, a molecada trabalha, sim. E bem mais do que o senso comum leva a crer. Só pena que o nosso PIB não esteja nas mãos de quem precisa se virar desde cedo. Mas um dia vai estar. Se tudo der certo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.