Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Bruno Garattoni
Vencedor de 15 prêmios de Jornalismo. Editor da Super.
Continua após publicidade

Ômicron adquiriu resistência ao último anticorpo monoclonal, indica estudo

Por Bruno Garattoni Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 fev 2022, 15h38

Subvariante BA.2 se mostrou capaz de driblar o sotrovimab, o único anticorpo artificial que ainda era eficaz para tratar a Covid; fabricante do medicamento questiona o resultado; entenda o que isso pode representar para a pandemia

No trabalho, publicado por cientistas da Universidade Columbia, nos EUA, as duas subvariantes da Ômicron (BA.1, a mais comum, e a mais recente BA.2) foram testadas com 19 anticorpos monoclonais – incluindo tipos experimentais, que ainda não estão no mercado. A subvariante BA.2 se mostrou resistente a todos os anticorpos monoclonais atualmente usados contra a Covid-19 – inclusive o sotrovimab, da GlaxoSmithKline, o único que mantinha eficácia contra a BA.1.

Os anticorpos monoclonais são desenhados e produzidos em laboratório a partir de uma única célula, clonada infinitamente (daí o nome “monoclonal”). Ao contrário dos anticorpos naturais, que são “policlonais” (ligeiramente diferentes entre si), os monoclonais são formados por proteínas idênticas – o que os torna especialmente suscetíveis a mutações no vírus.

No final de janeiro, a FDA americana revogou as licenças de uso do bamlanivimab, do etesevimab, do casirivimab e do imdevimab contra a Covid-19 – pois todos eles tiveram a eficácia comprometida pelas mutações presentes na Ômicron. Restou apenas o sotrovimab, da Glaxo – que agora, de acordo com os dados da Universidade Columbia, também poderá perder a utilidade.

Continua após a publicidade

Os anticorpos monoclonais são caros (o Regen-COV, que é o mais usado deles e contém casirivimab e imdevimab, custa US$ 2.000 a dose nos Estados Unidos) e só podem ser administrados em hospital. Por isso, eles acabam só sendo usados em pacientes cuja Covid já está num estágio mais avançado. Esses fatores acabam reduzindo a disponibilidade e a efetividade desses medicamentos (que foram liberados pela Anvisa e estão disponíveis no Brasil). 

Nesse aspecto, os monoclonais são totalmente diferentes de antivirais como o molnuvirapir, do laboratório MSD, e o Paxlovid, da Pfizer, que são administrados por via oral, em casa, logo após o diagnóstico de Covid – e, quando estiverem amplamente disponíveis, poderão mudar a dinâmica da pandemia. Os anticorpos monoclonais não são ferramentas para uso em massa. Mas eles foram o primeiro tratamento cientificamente comprovado contra a Covid, e continuavam sendo cruciais no tratamento da doença.

Agora, podem estar ficando para trás: só poderão voltar a ser usados contra o coronavírus quando a indústria farmacêutica criar novos anticorpos monoclonais. Um deles é o bebtelovimab, que está em desenvolvimento pelo laboratório Lilly. Ele foi testado no estudo da Universidade Columbia, e se manteve potente contra a BA.2. O medicamento ainda não foi aprovado, mas o governo dos EUA já assinou contrato com o laboratório para adquirir até 1,1 milhão de doses do produto

Continua após a publicidade

No começo de dezembro, poucos dias após o surgimento da Ômicron, os cientistas descobriram que ela tinha duas subvariantes, BA.1 e BA.2. Inicialmente, a BA.1 dominou a onda de infecções – foi ela que se espalhou globalmente e transformou a Ômicron em dominante. Mas, no final de janeiro, a BA.2 passou a se espalhar com mais força em alguns países europeus

Ela costuma funcionar como uma segunda onda de Ômicron, que começa a subir depois que a BA.1 já se espalhou bastante por um determinado local e infectou muita gente (o que dificulta sua disseminação, já que os contaminados adquirem algum grau de imunidade). Em Israel, houve casos confirmados de pessoas que pegaram BA.1 e depois foram reinfectadas pela BA.2.

Logo após a publicação do estudo da Universidade Columbia, a empresa americana Vir Biotechnology, que desenvolveu o sotrovimab em conjunto com a Glaxo, se manifestou na direção contrária: disse que seus próprios testes indicaram que o produto continua funcionando contra a subvariante BA.2 – e prometeu publicar os resultados na semana que vem.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.