Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Contando Ninguém Acredita

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
As notícias mais bizarras e surreais do mundo
Continua após publicidade

Monumento em Nova Iorque homenageia vítimas de um acidente que nunca aconteceu

Por Lucas Massao
Atualizado em 4 jul 2018, 20h35 - Publicado em 6 out 2016, 15h37

kraken

(Crédito: Ula Ilnytzky/AP)

Uma estátua de bronze para vítimas de uma balsa apareceu da noite para o dia em um parque no sul da ilha de Manhattan. A mais nova adição ao local, que é cheio de estátuas que homenageiam os mortos e perdidos no mar, mostra a embarcação Cornelius G Kolff sendo levada para o fundo do oceano por um polvo gigante. O que parecia ser mais uma peça de mitologia, na verdade, não se passa de uma grande farsa extremamente elaborada pelo artista Joseph Reginella.

A pegadinha de Reginella é composta por diversas camadas. Para dar veracidade à história, ele criou um site, um documentário, artigos em jornais e vários panfletos atraindo turistas para um memorial totalmente sem sentido. A ideia para o projeto, que demorou seis meses para ficar pronto, surgiu quando Joseph estava conversando com seu filho durante o trajeto entre a ilha de Manhattan e Staten Island, percurso feito através de balsas. “Ele ficava me perguntando as coisas mais doidas. Do tipo ‘a água é cheia de tubarões?’ Eu respondi que não, mas disse que um polvo gigante havia puxado um dos barcos durante a década de 60.”, afirmou Reginella em entrevista ao The Guardian.

Continua após a publicidade

A pequena mentira acabou se transformando em um projeto de arte multimídia e uma experiência social. Pelo medo de ser retirada pela polícia, Joseph movia a estátua de bronze a cada dois dias, e se encantava pela reação que as pessoas tinham quando a via. “Eles ficam com um olhar estranho, olham para a água e saem andando. Eu fico perto com uma vara de pescar e escuto as conversas”. Quando alguém questionava a veracidade do fato, Joseph intervinha e dizia que o polvo gigante atacou no dia 22 de novembro de 1963, data do assassinato de JFK. “Cria plausibilidade pra eles”, afirmou.

O documentário, produzido por Melanie Giuliano, uma amiga de Joseph, contou com o pai da produtora servindo como um “expert marítimo” e “testemunha ocular”. A locução foi feita por um amigo da esposa de Joseph. “Eu pensei que era uma ideia insana, mas achei hilária”, disse Giuliano.

Com The Guardian

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.