Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Antes do computador, como os diagramadores montavam as páginas da Super? 

Com cola, régua e tesoura. Conheça a técnica do "paste-up", que foi o padrão-ouro do design de revistas e jornais antes dos programas da Adobe.

Por Rafael Battaglia
31 jan 2024, 16h00

A Super surgiu em 1987, numa época em que o mercado editorial passava por uma transição: parte do trabalho já rolava no computador, mas o grosso ainda era feito no braço. 

Os diagramadores recebiam o texto impresso em folhas de tamanho-padrão chamadas de “laudas”, digitados já com a fonte e o tamanho certos (tipo Arial 12) em máquinas de escrever ou em um PC pré-histórico.

As laudas eram impressas e cortadas em quadrados e retângulos: um para o título da matéria, outro para a linha-fina e assim por diante. A equipe distribuía esses papeizinhos em cima de um papel-cartão que continha o grid (“grade”): linhas-guia para a diagramação da revista, que delimitam margens e colunas.

Esse processo era conhecido como paste-up: os designers colavam os nacos de texto e deixavam espaços reservados para fotos e ilustrações, que eram tratadas separadamente. 

Para consertar erros ortográficos ou textos que excediam o tamanho da página, era quase como uma cirurgia: com um estilete (ou bisturi), fazia-se uma incisão no papel-cartão, cortando letra por letra, palavra por palavra, para consertar o deslize – e rearranjar o layout.

A equipe, então, enviava a arte-final das páginas para a gráfica. Lá, cada página era fotografada com filme analógico, e o filme depois era gravado em chapas de metal ou cilindros de cobre: as matrizes de impressão das revistas.

A essa altura, você talvez tenha sacado que todo esse processo, além de trabalhoso, também deixava a diagramação um tanto engessada. Normal: era uma limitação técnica da época, que fazia com que as páginas fossem mais quadradonas, sem grandes transgressões em relação ao grid original.

Nos anos 1990, surgiram os softwares que usamos até hoje, como o Adobe Photoshop (para edição de imagem) e o Adobe Indesign (para organização das páginas). Eles permitiram diagramações mais livres, com novos recursos gráficos e texto e imagem mais integrados. Foi quando se popularizaram os infográficos – algo que nós aqui da Super adoramos fazer. 

Continua após a publicidade

Pergunta de Paulo Sérgio Junior, via e-mail

Fontes: Como Nasce uma Revista (1989) e A Revista no Brasil (2000), da Editora Abril. Vídeo “The Lost Art of Paste-Up”, da London Review of Books.

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.