Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Existe um nome específico para pessoas que se arrepiam ouvindo música?

Não há um nome para as pessoas que se arrepiam, mas há um nome para o arrepio em si: frisson. Entenda o que acontece no cérebro nessa hora.

Por Bruno Vaiano Atualizado em 27 Maio 2020, 15h26 - Publicado em 25 Maio 2020, 12h50

Não há um nome para as pessoas que se arrepiam, mas há um nome para o arrepio em si: frisson. Além dos pelos eriçados, as pupilas dilatam e pode haver um formigamento na pele atrás do pescoço. Aproximadamente metade dos seres humanos têm o grau de sensibilidade à música necessário para alcançar um frisson, mas a porcentagem exata é incerta, pois nenhum estudo sobre avaliou um número de cobaias razoável (o mais famoso deles, publicado em 2019, empregou apenas 20 voluntários). 

O frisson dura no máximo alguns segundos e normalmente é descrito como uma onda ou pulso prazeroso que sobe da cintura em direção à nuca. Matthew Sachs, neurocientista da Universidade do Sul da Califórnia responsável pelo estudo de 2019, determinou por meio de ressonância magnética que pessoas suscetíveis a esses arrepios têm um número maior de conexões entre a região do cérebro que processa os sons (o córtex auditivo) e o córtex pré-frontal, que fica perto da testa e é responsável por tarefas mais complexas e subjetivas, dessas que só o Homo sapiens realiza – como interpretar o significado de uma música, neste caso. 

O bem-estar propiciado é resultado de como a música manipula nosso cérebro. O arrepio geralmente surge em resposta a um acontecimento musical inesperado: uma nota aguda sustentada por muito tempo, uma nota que termina uma melodia de maneira inconclusiva, sem resolvê-la, ou uma modulação – que é quando a música muda de tom, geralmente no último refrão, para forçar o vocalista a cantar ainda mais agudo, como no final de “My Heart Will Go On”, de Céline Dion. 

Nosso cérebro normalmente não gosta de acontecimentos inesperados – não saber lidar com uma situação é um ótimo jeito de sair dela morto ou machucado, e nós geralmente precisamos nos adaptar a uma experiência com calma antes de passar a considerá-la confortável. Mas a música, como uma série ou filme, é uma simulação: a novidade não causa nenhum mal. É apenas uma maneira artificial de manipular suas emoções. 

Pergunta de @marianapedrastudio, via Instagram.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)