Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

O que é feito com as armas apreendidas pela polícia?

Não voltam para as mãos dos bandidos. Pelo menos não deveriam.

Por Alexandre Carvalho
Atualizado em 16 fev 2023, 13h58 - Publicado em 16 fev 2023, 13h07

Em primeiro lugar, vão para o sistema de Justiça Criminal e lá permanecem até a conclusão do processo relacionado à sua apreensão. Depois, depende. Se for de um cidadão com direito à posse (ter a arma em casa), mas não ao porte (sair com ela por aí), geralmente volta para o dono caso a Justiça conclua que a pessoa não é um risco para a sociedade, só excedeu os limites da sua interação com a arma.

É diferente se ela sair das mãos de um criminoso. Nesse caso, depois da apreensão, verifica-se se ela já disparou – as armas podem estar apenas sendo contrabandeadas no momento da apreensão. Em caso positivo, há um exame de balística, para identificar se ela não foi usada em algum homicídio que esteja sob investigação.

Feitas essas análises, as armas de criminosos, na maioria das vezes, são destruídas pelo Exército Brasileiro. Mas não é uma regra sem exceção. Cada estado pode ter sua própria política de solicitar ou não a arma para reaproveitamento por alguma de suas forças de segurança. Para isso, é necessário abrir um processo de licitação. Mas a praxe mesmo é a destruição pelo Exército. 

Continua após a publicidade

Fonte: Diomar Lacerda, policial militar, bacharel em Direito e especialista em segurança preventiva. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.