Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que a gente solta lágrimas quando chora?

Para que alguém te ofereça um lenço. Ou um ombro amigo. Tudo culpa da evolução.

Por Alexandre Carvalho
Atualizado em 16 dez 2022, 11h32 - Publicado em 15 dez 2022, 20h05

Não existe um consenso. Há poucos estudos sobre a ciência do choro, mas algo já está confirmado: as lágrimas que brotam em consequência de um estado emocional intenso têm composição química diferente das que saem dos seus olhos quando você pica cebola. Ou das que simplesmente estão ali, sem cair, para efeito de lubrificação.  

Além das enzimas, lipídios, metabólitos e eletrólitos que fazem parte de qualquer lágrima, as de fundo emocional contêm mais proteínas. E essa diferença na composição as torna mais viscosas, de forma que aderem à pele com mais força e escorrem pelo rosto mais lentamente. E qual o efeito disso? Elas ficam mais propensas a serem vistas por outras pessoas. E assim podem desencadear vínculos sociais e conexões

É nessa linha que alguns pesquisadores apostam: lágrimas no choro sobreviveram ao filtro da evolução para que sejamos notados. Mostram para outros que estamos passando por alguma situação com a qual não conseguimos lidar sozinhos. Que precisamos de ajuda para superar um momento de dificuldade – seja de natureza física ou psicológica. 

Derramar lágrimas ao chorar, portanto, seria uma vantagem evolutiva, para demonstrar vulnerabilidade e conquistar apoio. E quem chora de felicidade? Esse também mexe com o coração do próximo. Gera camaradagem. É nisso que acredita, por exemplo, o neurologista Michael R. Trimble, professor emérito da University College London, que escreveu um livro sobre por que humanos choram: “as áreas do cérebro ativadas quando vemos alguém muito emocionado são as mesmas que entram em ação quando nós mesmos estamos sob forte emoção”. 

Continua após a publicidade

Empatia que chama. E, na longa jornada da evolução, contar com pessoas que tenham esse sentimento por você pode ter feito a diferença entre a vida e a morte. Ou, pelo menos, entre o conforto e o sofrimento. 

Fonte: Why Humans Like to Cry: Tragedy, Evolution, and the Brain, de Michael R. Trimble.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.