Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que é tão difícil tirar fotos da Lua com um smartphone normal?

Nosso satélite ocupa uma área muito pequena do céu noturno e tem uma luminosidade muito alta em relação ao seu entorno. Mas calma: tem jeito.

Por Carolina Fioratti, Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 abr 2021, 20h02

A Lua parece grande, mas na verdade ocupa uma área minúscula do campo de visão, que o celular traduz fielmente na tela. Câmeras com zoom óptico e lentes de longa distância, as teleobjetivas, contornam esse problema. É assim que os fotógrafos profissionais fazem cliques tão bons do céu. É possível adquirir teleobjetivas para acoplar às câmeras de certos modelos – já deixamos avisado que a lente, além de custar algumas centenas de reais, é maior que o próprio smartphone.

Além do tamanho, há o problema da luminosidade. Nosso satélite natural é muito mais iluminado que o céu ao redor. Quando a regulagem automática do celular opta por deixar entrar pouca luz, os detalhes na superfície da Lua ficam bem definidos, mas o resto some. Com muita luz, as outras coisas no enquadramento aparecem, mas o satélite vira um borrão.

Smartphones mais sofisticados permitem que você regule a abertura para luz (determinada por uma peça chamada diafragma) – bem como o ISO, uma sigla que se refere à sensibilidade da CCD, a peça que capta a luz. Um ISO menor evita imagens granuladas. Na maior parte dos aparelhos, porém, a regulagem é automática, e não se dá muito bem com o céu noturno.

Continua após a publicidade

A luz das estrelas, por sua vez, é extremamente tênue. Para captá-la, não só é necessário abrir o diafragma um bocado como também permitir que a luz passe um bom tempo entrando na câmera (esse é o tempo de exposição, ou shutter speed, que é determinado por uma peça chamada obturador). Quanto maior o tempo de exposição, mas importante se torna o tripé, que mantém o aparelho estável para não borrar suas constelações.

Pergunta de @izabela_cristine_, via Instagram.

Fontes: Zoltan Levay, fotógrafo especializado em céu noturno, Ricardo Matsuzawa, da Universidade Anhembi Morumbi.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.