Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Por que o Biotônico Fontoura dá fome?

Spoiler: não dá. Entenda de onde surgiu esse mito – que tem a ver com Monteiro Lobato.

Por Rafael Battaglia 13 abr 2022, 18h44

Não há nada em sua composição responsável por dar fome. Ele é um suplemento mineral com substâncias que fornecem ferro e fósforo, indicado para quem tem alguns tipos de anemia. 

Mas essa fama tem um porquê. O Biotônico foi criado em 1910 por Cândido Fontoura Silveira, de Bragança Paulista (SP), e era vendido como fortificante. “Para a mulher, a beleza. Para o homem, o vigor.” É o que dizia uma de suas primeiras campanhas publicitárias.

Cândido era amigo de Monteiro Lobato e chamou o escritor para ser editor do Almanaque Fontoura, um livreto com calendários, anedotas, conselhos práticos e manuais (como a indicação das melhores épocas de plantio de diferentes cultivos). Naquela época, era comum que almanaques do tipo fossem distribuídos em farmácias.

Em 1924, Cândido passou a oferecer de brinde um livreto do Jeca Tatu, personagem de Lobato, para quem comprasse o Biotônico. Na história, Jeca estava doente, magro e sem energia. Ao se consultar com um médico, foi diagnosticado com amarelão (ancilostomose, doença causada por parasitas intestinais). O médico, então, receitou um remédio e, de reforço, Biotônico “para abrir o apetite”. 

Foi uma baita jogada de marketing: a edição teve uma tiragem de milhões de exemplares e consolidou no imaginário popular a ideia que o suplemento dava fome.

Continua após a publicidade

Zero álcool

Até pouco tempo atrás, o Biotônico Fontoura levava 9,5% de álcool em sua composição. É mais que uma cerveja pilsen do churrasco do fim de semana (4,7%), por exemplo. Isso também pode ter contribuído para a fama do fortificante: o álcool aumenta a atividade dos neurônios responsáveis por avisar o corpo que está na hora de comer mais. 

Seja como for, isso acabou em 2001, quando a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu que tônicos e fortificantes levassem álcool em sua composição para evitar a exposição de crianças à substância.

“Existem estudos que mostram que crianças que consomem tônicos com teor de etanol acima de 4,5% por um período prolongado têm tendência maior a ser dependente do álcool quando adulto”, afirmou à Folha na época o presidente do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF), Antônio Barbosa da Silva. O Biotônico Fontoura e outros 20 produtos do tipo foram obrigados a mudar a sua fórmula.

Agradecimento: Jacqueline Cabral, farmacêutica.

Compartilhe essa matéria via:

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês