Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Por que o uso do cinto de segurança no carro é lei se pode andar de moto?

"Só tem duas rodas, é feita para cair" (SOARES, Jô)

Por Alexandre Carvalho
Atualizado em 18 ago 2022, 22h40 - Publicado em 18 ago 2022, 22h40

Primeiro por uma questão cultural. Antes que houvesse uma legislação exigindo o uso de cinto de segurança nos carros, já existiam motos. Formou-se toda uma indústria de fabricação e comércio de motos, e aí não há como voltar atrás. 

Se a questão levasse em conta apenas a segurança, o provável é que as motos fossem proibidas. Um levantamento de 2021 mostrou que 54% dos acidentes graves no trânsito envolvem motociclistas.

Jô Soares, que fraturou os dois braços em quedas de motocicleta, desistindo em seguida desse veículo, definiu bem: “As motos só têm duas rodas, são feitas para cair”. Além disso, quem conduz moto não conta com uma célula de proteção, nem com tecnologias de absorção de impacto (veículos de quatro rodas têm pontos fusíveis na carroceria para que a energia de uma batida não seja transferida para os ocupantes).

E, claro: um cinto de segurança só tornaria a moto mais perigosa. Na eventualidade de uma colisão ou queda no trânsito, se o motociclista estiver preso à motocicleta pelo cinto, ele será arrastado junto com a moto, que tem uma massa maior, e o risco de ferimentos mais graves aumenta. Sem o cinto, ao ser jogado para fora da motocicleta, seu corpo desacelera de forma relativamente gradual e absorve menos energia do impacto. 

Pergunta de Ronyelson da Veiga, Itaúnas, ES

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.