GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Apps de fotografia geram distúrbio psicológico em adolescentes, diz estudo

Artigo alerta para a “dismorfia do Snapchat”, que faz com que garotas busquem cirurgia plástica para ficarem parecidas com as imagens de aplicativos

Atire o primeiro smartphone quem nunca passou horas testando todos os filtros disponíveis no Snapchat, no Stories do Instagram ou no Facetune. Sem dúvida, a brincadeira é divertida, mas está levando meninas adolescentes a desenvolverem o Transtorno Dismórfico Corporal (TDC), em que a pessoa apresenta um foco obsessivo em defeitos que considera ter em sua aparência.

O alerta vem de um artigo de pesquisadores da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, divulgado no periódico JAMA Facial Plastic Surgery. De acordo com os autores, garotas que costumam retocar suas fotos têm um nível mais alto de preocupação com seus corpos e tendem a usar as redes sociais com o objetivo de ganhar aprovação sobre sua beleza.

Outra característica comum a essas meninas é a vontade de fazer cirurgia no rosto – para se ter ideia, segundo uma pesquisa da Academia Americana de Cirurgia Plástica Facial e Reconstrutiva realizada  em 2017, 55% dos cirurgiões entrevistados perceberam um aumento de mulheres que fazem plástica porque querem sair mais bonitas nas fotos.

Os pesquisadores também afirmam que, antes da era das selfies, o principal objetivo de quem queria fazer uma rinoplastia era mudar a curvatura do nariz (para deixá-lo mais reto); agora é a assimetria do órgão (nos casos em que ele é torto) e da face como um todo que motiva a procura por um procedimento cirúrgico.

Para os autores, esse comportamento – apelidado de “dismorfia do Snapchat” – é preocupante porque, na maioria das vezes, a imagem que se busca é inatingível. Nesse caso, o ideal seria apostar em intervenções psicológicas, como terapia comportamental, e também em medicamentos que agem como antidepressivos.

“Esses aplicativos estão nos fazendo perder a noção da realidade, porque esperamos parecer perfeitos e ‘filtrados’ na vida real também”, dizem os autores. Eles alertam, ainda, para a necessidade de médicos prestarem atenção nas implicações das redes sociais na autoestima de seus pacientes – principalmente se eles ainda nem tiverem chegado à idade adulta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s