GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Estudo revela em qual idade as crianças param de acreditar no Papai Noel

Spoiler: Papai Noel não existe. Mas as crianças demoram bem mais tempo, em média, do que se imagina para perceber isso.

A magia do Natal esconde uma dura verdade. Por trás dos presentes e da decoração natalina, milhões de crianças são enganadas pelos pais à respeito do Papai Noel. É um mentira do bem, de fato. Mas em que momento elas passam a desconfiar do bom velhinho? A revelação produz algum impacto nelas?

Foi sobre essas e outras perguntas que Christopher Boyle, professor associado de psicologia da Universidade de Exeter, no Reino Unido, se debruçou. Em 2016, ele co-escreveu um ensaio sobre o valor de mentir sobre o Papai Noel para a revista Lancet Psychiatry e, desde então, recebe mensagens de pessoas sobre o tema.

O debate a respeito gerou uma nova pesquisa, que vai investigar a relação das crianças com a história do personagem: em que ponto da infância elas começam a duvidar de sua existência, como isso afetou a confiança que elas tinham nos pais e o por quê dos adultos continuarem alimentando a história por tanto tempo.

O estudo definitivo só deve terminar em 2019, mas nesta semana Boyle divulgou dados preliminares sobre o que coletou dos participantes da pesquisa. Foram 1200 entrevistados, de todas as partes do mundo, que precisaram resgatar as suas memórias de infância das festas de fim de ano.

Veja também

8 anos

De acordo com os resultados iniciais, Boyle cravou como 8 a idade média em que as crianças param de acreditar no Papai Noel. Mas esse número diz respeito às crianças da Inglaterra. Na Escócia, a média fica em torno de 8 anos e meio, enquanto pesquisas antigas calculam que crianças americanas deixam de acreditar aos 7. (A pesquisa não incluiu nenhum brasileiro.)

De acordo com os depoimentos enviados ao pesquisador, é nessa idade que os jovens passam a prestar mais atenção nas conversas dos pais e nas mudanças de rotina da casa. Dentre os entrevistados, rolou de tudo: de encontrar os presentes no quarto dos pais a comparar a caligrafia deles com a das cartas enviadas pelo Papai Noel.

Confiança abalada?

Em relação a descoberta da verdade, 56% dos entrevistados disseram que isso não afetou sua confiança nos adultos. Contudo, 33% ficaram chateados com a revelação. 15% se sentiram traídos pelos pais, e 10% sentiram raiva.

A pesquisa também avaliou o comportamento dos participantes nos dias de hoje, como adultos. 70% dizem que incentivam a mentira, enquanto o restante optou em não colaborar com a lorota. O estudo também descobriu que 31% dos pais mentem para seus filhos caso eles perguntem se o Papai Noel é real.

Afinal de contas, por que mentir sobre o bom velhinho? Para Boyle e a co-autora do estudo, a pesquisadora de saúde mental Kathy McKay, o motivo pelo qual tantos pais sustentam a mentira pode ser um desejo de reentrar brevemente na infância.

Segundo eles, da mesma maneira que adultos retornam a universos ficcionais, como Harry Potter e e Star Wars, a história do Papai Noel cria uma realidade alternativa, longe dos problemas do mundo real. Se essa for a razão pela qual as crianças continuam acreditando, talvez essa mentira não seja tão ruim assim.