Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Qual é a diferença entre os tipos de rolos de filmes?

Oppenheimer foi gravado em rolos de filme IMAX de 70 mm – mas nenhuma sala de cinema brasileira comporta esse formato. Entenda o que isso significa e conheça outros formatos.

Por Maria Clara Rossini
15 ago 2023, 15h30

A versão “ideal” de Oppenheimer não pode ser vista no Brasil. Para assistir o filme da maneira como Christopher Nolan idealizou, você deve ir a um dos 30 cinemas ao redor do mundo que receberam os rolos IMAX de 70 mm. 19 delas ficam nos Estados unidos, enquanto as outras se dividem entre Canadá, Austrália, Reino Unido e República Tcheca. 

Mas calma, o Brasil não tem salas IMAX? Sim, mas nenhuma delas possui uma tela na proporção correta para exibir o filme de 70 mm, especificamente. Nesse formato, a imagem fica mais esticada na vertical, proporcionando maior imersão na sala de cinema. A proporção “padrão” de Hollywood é 2.4:1, enquanto o IMAX 70 mm tem 1.43:1 – um formato bem mais quadradão. Veja a comparação abaixo.

Dunkirk (2017) também foi filmado em 70 mm IMAX, mas a versão exibida no Brasil, assim como Oppenheimer, é a da esquerda, na proporção tradicional, de 35 mm. Os espectadores perdem um pouco da parte superior e inferior da cena, mas nada que comprometa a compreensão do filme.

O cinema nasceu de forma analógica: os filmes eram gravados em rolos, com várias fotinhos. Ao rodá-las em um projetor, as imagens dão a impressão de estarem em movimento, e daí nasce o cinema. Os primeiros filmes dos Irmãos Lumiére foram gravados em rolos de 35 mm de largura, em 1889 – e que até hoje é o formato padrão.

Continua após a publicidade

A diferença é lógica: quanto maior a imagem, mais detalhada ela é. O rolo de 70 mm surgiu ainda no século 19, mas era muito caro e pouco usado. Grandes produções como Cleópatra (1963) e Lawrence da Arábia (1962) foram gravadas dessa forma. A partir de 1999, o formato digital com melhor definição passou a substituir os rolos.

Mas ainda há quem prefira o analógico. Tenet, Não! Não Olhe, Os Oito Odiados e Morte no Expresso do Oriente são filmes recentes que foram gravados no rolo de 70 mm. Abaixo, confira algumas diferenças entre os principais formatos analógicos.

Infográfico dos diferentes tamanhos de rolos.
(Juliana Krauss/Superinteressante)

Ô de casa

O filme de 8mm, na verdade, tem 7,9mm de largura. O formato foi popularizado com o Super8, que se propunha a ser uma alternativa barata aos 16mm. A diferença entre o 8mm comum e o Super8 é o tamanho dos frames. Esse é um formato caseiro, barato e pouco usado no cinema. O primeiro filme de Spielberg, chamado Firelight (1964), foi gravado em 8mm.

Entre o amador e profissional

O 16mm se propunha a ser uma alternativa mais em conta ao filme de 35mm. Pela qualidade menor, também serve para trazer um aspecto sinistro às cenas. Foi usado em O Cisne Negro (2010), Cidade de Deus (2002), Jackie (2016) e na série The Walking Dead.

Continua após a publicidade

O classicão

É o padrão no cinema. Do Poderoso Chefão a Star Wars, a maioria das produções analógicas foram gravadas nesse formato. O filme de 35mm foi o primeiro de todos, criado em 1889.

Gigante das telas

O 70mm, bem mais caro, foi usado em megaproduções, como Cleópatra (1963). A novidade é o 70mm IMAX, que deica o filme mais “esticado” na horizontal. Outra diferença é que a bobina roda na horizontal – os frames correm lado a lado, em vez de um em cima do outro, como ocorre nos outros casos. 

Compartilhe essa matéria via:

A História do Cinema para quem tem pressa

A História do Cinema para quem tem pressa

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.