Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Quem tem voz em Hollywood

Série de vídeos mostra a imensa desigualdade racial na indústria cinematográfica

Por Jessica Soares
Atualizado em 7 mar 2024, 16h28 - Publicado em 17 jul 2015, 19h45

Ao navegar pelo tumblr Every single word você não vai precisar de mais de alguns minutos para ver todos os vídeos editados por Dylan Marron – o maior deles, até o momento, tem apenas 55 segundos; o mais curto, 8 segundos. Mas não se trata de uma proposta de concisão criativa. Em junho, o escritor, performer e editor começou a postar no endereço vídeos em que reúne todas as falas de atores e atrizes não-brancos em filmes populares de Hollywood – e o resultado, não deixa dúvidas (se é que ainda restava alguma) sobre quem tem o poder de voz e representatividade na indústria cinematográfica.

 

 

Até o momento, Marron já postou em sua página e canal no YouTube 10 versões editadas de longa-metragens em que negros, asiáticos e latinos – geralmente em papéis de personagens sem nome – têm absurdamente pouco tempo de voz – em Amizade colorida (2011), são menos de 54; em Trapaça (2013), são 53; em Ela (2013), 46 segundos; em À Procura do Amor (2013), 45 segundos; em A culpa é das estrelas (2014), 41; em Penetras bons de bico (2005), 39 segundos; em (500) dias com ela (2009), 30 segundos; Frances Ha (2012), também 30 segundos; em Cisne Negro (2010), 24; em Moonrise Kingdom (2012), são menos de 10 segundos.

Continua após a publicidade

O canal ainda traz outros dois vídeos que parecem terminar antes de começar – vão direto da abertura para os créditos que não exibem nenhum nome. O motivo é esse mesmo que você imaginou: em Noé (2014) e Caminhos da floresta (2014) não há no elenco nenhum ator não-branco. Silenciosamente devastador.

 

 

 

 

A situação não fica melhor quando se analisa uma maior amostragem. Em 2013, estudo conduzido na University of Southern California analisou raça e etnicidade (na frente e atrás das câmeras) em mais de 500 filmes lançados em 2007, 2008, 2009, 2010 e 2012. Nos filmes analisados de 2012, mais de três quartos (76,3%) dos personagens com falas são brancos, enquanto apenas 10,8% são negros, 4,2% são latino-americanos, 5% são asiáticos e 3,6% são de outras etnias ou mestiços – média similar à encontrada nos anos anteriores. Dos 565 filmes no topo das bilheterias entre 2007 e 2012, apenas 33 (5,8%) foram dirigidos por negros – entre eles, estão apenas duas diretoras mulheres. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.