Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Cultura

O que foi o dadaísmo?

Em vez de criarem arte bela, os dadaístas preferiam traduzir a insanidade que viam no mundo.

Texto: Diogo Antônio Rodriguez | Edição de Arte: Daniela Tiemi | Design: Andy Faria | Ilustrações: Mauricio Planel

A

1ª Guerra Mundial foi um dos conflitos mais sangrentos da história e o primeiro a atingir uma escala mundial, o que chocou a todos. Em fevereiro de 1916, em Zurique, na Suíça, artistas e escritores tentavam entender o que estava acontecendo. Formaram um grupo e abriram o Cabaret Voltaire, um lugar onde podiam se expressar. Ali nasceu o dadaísmo.

EXPRESSANDO A LOUCURA

O escritor alemão Hugo Ball foi um dos líderes, organizando as atividades no Cabaret. Um dos temas recorrentes era a reação às instituições tradicionais, como governos, exércitos e políticos – vistos com desconfiança por terem gerado um conflito tão desumano. Em vez de criarem arte bela, os dadaístas preferiam traduzir a insanidade que viam no mundo.

O AVANÇO É UM ATRASO

Além de se oporem à guerra, eles criticavam a ciência – que deveria fazer o mundo evoluir, mas estava sendo usada para matar milhões. Também sobraram farpas para a própria arte. Segundo os adeptos do dada, ela estava enferrujada, presa às galerias e aos ideais de beleza ultrapassados. Outros alvos favoritos eram a sociedade, as autoridades e a Igreja.

Arte para todos

O mais importante não era criar objetos estéticos, mas passar ideias poderosas. Por isso, qualquer coisa poderia ser arte. Afastando-se da tradição, os adeptos usavam técnicas novas, como colagem e fotografia. Mas a mais icônica foi o “readymade”: a transformação de um objeto comum manufaturado em obra, ao tirá-lo do cotidiano e inseri-lo no ambiente artístico.

Uma obra privada

O francês Marcel Duchamp foi o primeiro a bolar um readymade. Pegou um mictório, virou-o de cabeça para baixo, assinou com um pseudônimo (R. Mutt) e o inscreveu em uma exposição em Nova York com o título Fonte. Era uma forma de perguntar: o que define algo como arte? Quem tem o poder de dizer o que pode ser considerado uma obra?

Esfaqueando dicionários

A aleatoriedade sempre teve um papel importante no dadaísmo. Vários membros deram explicações diferentes à origem do nome, por exemplo, mas a mais aceita diz que, em uma reunião no Cabaret, alguém enfiou uma faca em um dicionário francês-alemão. A palavra “atingida” foi “dada”, que significa cavalo de pau (o brinquedo) em francês.

Curto e grosso

O dadaísmo não era exatamente um movimento, com regras e diretores, mas um modo de expressão. E foi breve: acabou ainda em 1916, depois que o Cabaret fechou. Mas, mesmo assim, impactou toda a arte do século 20. Sua influência pode ser encontrada, por exemplo, na versão alemã do dadá em Berlim, no surrealismo, na pop art e no abstracionismo.

A revolução será televisionada

Seu legado também está presente na ampliação da linguagem artística. As videoinstalações, a mistura de diferentes mídias, a arte performática e outras formas criativas de criar experiências para o público também são consequências, diretas ou indiretas, do embalo dadaísta.

Continua após a publicidade

Os principais artistas

Hugo Ball (1886-1927), escritor e poeta alemão.

Principal obra: Gadji Beri Bimba (1917).

Raoul Hausman (1886-1971). Fotógrafo, pintor, escritor e escultor austríaco.

Principal obra: Cabeça Mecânica (1919-1920).

Hannah Höch (1889-1978). Alemã, pioneira da fotomontagem.

Principal obra: Golpe com uma Faca de Cozinha Dada na Última Cultura de Barriga de Cerveja da República de Weimar, na Alemanha (1919).

Max Ernst (1891-1976), pintor e escultor naturalizado francês.

Principal obra: Aquis Submersus (1919).

Marcel Duchamp (1886-1968). Pintor, escultor e artista francês.

Principal obra: Fonte (1917).

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
Cultura
O que foi o dadaísmo?
Em vez de criarem arte bela, os dadaístas preferiam traduzir a insanidade que viam no mundo.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade