Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Descoberto corpo do Capitão Gancho da Itália medieval

O homem do século 8 foi amputado – mas sobreviveu ao ferimento, instalou uma faca no lugar da mão e seguiu a vida.

Por Bruno Vaiano 17 abr 2018, 19h22

Na província de Bergamo, a 40 quilômetros de Milão, norte da Itália, um cemitério medieval abriga 164 pessoas mortas entre os séculos 6 e 8. Uma delas não tem a mão direita – o braço termina em um toco de osso cicatrizado. O corte foi limpo: a amputação pode ter sido punição por um roubo, um procedimento médico pouco agradável da era pré-anestesia ou até brinde de uma violenta batalha com espadas. O mais legal, porém, é que o ladrão – ou soldado de bem com a vida – lançou tendência na moda pirata, assim que o ferimento se curou: instalou uma faca no lugar do membro e seguiu com a vida.

O “Capitão Gancho pizzaiolo” morreu com cerca de 50 anos, muito depois da amputação – é surpreendente que tenha sobrevivido às prováveis infecções decorrentes do ferimento sem antibióticos contemporâneos. Deformações análogas a calos nas extremidades dos ossos do antebraço indicam que ele adotou a faca no dia a dia, e que a adaptação foi bem aceita por seus conterrâneos. “A sobrevivência desse homem testifica a preocupação da comunidade e o alto valor dado à vida humana [na época]”, afirmam arqueólogos da Universidade de Roma, responsáveis pela descoberta, em um artigo científico.

Olha a faca! (Micarelli et al./Journal of Anthropological Sciences)/Reprodução

Os dentes da parte direita da mandíbula do esqueleto estão extremamente desgastados – em um padrão que indica que o homem tinha o hábito de morder e então puxar algo com frequência, sempre na mesma direção. A melhor explicação é que ele usava a boca para apertar, de tempos em tempos, as cintas de couro que seguravam a prótese peixeira no lugar. Lembra quando sua avó mandava você não usar os dentes para abrir embalagens? Pois é, era um bom conselho: o hábito rendeu uma infecção na polpa dentária do anônimo medieval, que alcançou e lesionou o osso. Seu ombros também apresentam marcas condizentes com o hábito de esticar o braço na direção oposta a da boca.

Ao contrário da maior parte dos homens da mesma época que foram encontrados na necrópole, o capitão gancho não foi enterrado com lanças, espadas ou outras armas de estimação: só tinha a faca-prótese, amarrada na ponta do braço e cruzada sobre sua barriga. Prova de que ele foi respeitado pela maneira como solucionou a amputação, e enterrado respeitosamente entre seus iguais. Agora, só resta saber se ele foi ídolo de um certo pirata com medo de jacarés.

Continua após a publicidade

Publicidade
História
Descoberto corpo do Capitão Gancho da Itália medieval
O homem do século 8 foi amputado – mas sobreviveu ao ferimento, instalou uma faca no lugar da mão e seguiu a vida.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade