Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Jarras recuperadas revelam segredos do vinho romano

Pesquisa combinou técnicas de arqueologia, botânica e química para descobrir como era a vinicultura romana - que usava uvas locais e piche importado

Por Leo Caparroz Atualizado em 26 jul 2022, 13h36 - Publicado em 7 jul 2022, 15h52

Três jarras de vinho, chamadas de ânforas, foram recuperadas do oceano e analisadas, dando aos pesquisadores uma visão das práticas vinicultoras da costa italiana durante o período do século 1-2 a.C.

Ânforas são vasos antigos, com forma geralmente ovalada e duas alças laterais simétricas. Eram feitos de barro e usados para transportar e armazenar líquidos, especialmente vinho – mas também podiam conter água, azeite, frutos secos, cereais e mel.

Essas jarras foram encontradas em 2018, perto do porto de San Felice Circeo, cerca de 90 quilômetros a sudeste de Roma. A pesquisa delas envolveu a combinação de técnicas de análise química com abordagens usadas na arqueobotânica.

Os cientistas usaram diferentes formas e combinações de processos para separar e identificar marcadores químicos – como a cromatografia gasosa e a espectrometria de massas – com o objetivo de identificar os restos orgânicos deixados nos jarros.

Além disso, os pesquisadores procuraram por pólen preso no resíduo. Esse tipo de análise é mais comum, mas não em jarras como as encontradas e raramente com o objetivo de tentar entender o contexto histórico do artefato.

Continua após a publicidade

O estudo do pólen revelou que as ânforas eram usadas ​​para fazer vinho tinto e branco, e que as bebidas eram produzidas com plantas locais – embora não esteja claro se elas eram domesticadas ou se seus frutos eram colhidos da natureza.

Vestígios de alcatrão de pinho, uma substância espessa e pegajosa feita a partir da carbonização da madeira de pinheiro, sugerem que ele era usado para impermeabilizar os frascos e talvez até para dar sabor ao vinho. Segundo os pesquisadores, o piche seria obtido de fora da região, provavelmente da Calábria ou da Sicília. 

As descobertas em torno do porto de San Felice Circeo incluem uma variedade de outras cerâmicas e artefatos. Os arqueólogos acreditam que a área pode ter sido próxima a um canal romano.

Ao combinar conhecimentos químicos e botânicos com registros históricos e arqueológicos de estudos anteriores em jarras de vinho similares, os cientistas foram além da análise tradicional para investigar a história ampla desses artefatos.

“Se existe uma mensagem a ser retirada deste artigo, é em relação à metodologia multidisciplinar a ser aplicada. Usando diferentes abordagens para desvendar o conteúdo e a natureza do revestimento das ânforas romanas, avançamos ainda mais na compreensão das práticas antigas do que seria possível com uma única abordagem,” relatam.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade
História
Jarras recuperadas revelam segredos do vinho romano
Pesquisa combinou técnicas de arqueologia, botânica e química para descobrir como era a vinicultura romana - que usava uvas locais e piche importado

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade