Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Nazistas davam medalhas às mulheres que tivessem muitos filhos

A partir do quarto filho, mães eram condecoradas e a família recebia prêmios em dinheiro; medida foi estratégia de Hitler para aumentar a população

Por Eduardo Szklarz
12 jan 2018, 15h45

Magda era uma mulher perfeita segundo os padrões nazistas. Loira, alta, de olhos azuis, dona de casa exemplar e mãe de uma filharada. Aos 38 anos, ela já tinha dado à luz 7 crianças: 6 de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda do Terceiro Reich, e outra de seu marido anterior. Em 1939, tornou-se a primeira a ganhar a Mutterkreuz, ou Cruz das Mães, concedida às “arianas” que tivessem pelo menos 4 rebentos. Quanto mais filhos, mais elevada era a condecoração – algo semelhante à premiação de vacas ou éguas que se destacam como boas reprodutoras da raça.

Quem instituiu a Mutterkreuz como instrumento para estimular a procriação entre casais “puro-sangue” na Alemanha foi o médico Gerhard Wagner, chefe da Seção de Saúde Pública do Partido Nazista. A intenção de Wagner era garantir que as futuras gerações arianas fossem numerosas, para fazer do país a potência mundial que Adolf Hitler almejava. Ao mesmo tempo, tratava-se de um subterfúgio para valorizar o papel das mulheres na sociedade sem que fosse preciso tirá-las da condição de senhoras do lar. “A prolífica mãe alemã merece o mesmo lugar de honra no Volk [povo] que o soldado do Exército”, escreveu o médico num artigo para o jornal Völkischer Beobachter em 1938. “A mãe arrisca tanto seu corpo quanto sua vida pela pátria, do mesmo jeito que o soldado faz numa batalha.”

Segundo a historiadora americana Michelle Mouton, pesquisadora do departamento de História da Universidade de Wisconsin, nos EUA, cerca de 3 milhões de mulheres receberam a cruz logo na primeira cerimônia de condecoração. A data não podia ser mais apropriada: o Dia das Mães de 1939. “A Mutterkreuz fundia as ideias associadas ao Dia das Mães com a política racial nazista”, escreve Mouton no livro From Nurturing the Nation to Purifying the Volk (“Da Educação da Nação à Purificação do Volk”, inédito no Brasil). A honraria era concedida de acordo com o número de filhos tidos pela homenageada: 4 ou 5 crianças valiam uma medalha de bronze; 6 ou 7 correspondiam à medalha de prata; e 8 ou mais rebentos significavam uma cruz de ouro. A política era retroativa – quem já tivesse batalhões de filhos também era condecorado.

A Mutterkreuz pode até ser classificada como a mais extravagante medida de Hitler para incentivar o nascimento de arianos, mas não foi a única. O regime nazista promulgou diversas leis para reverter a queda na taxa de natalidade herdada do regime anterior, conhecido como República de Weimar (1919-1933). Afinal, o encolhimento das famílias alemãs significava um desastre para o projeto expansionista do Führer.

A tendência de queda do índice de crescimento da população era um efeito indireto da 1a Guerra Mundial (1914-1918), que havia provocado uma revolução nos núcleos familiares alemães. Esposas que tinham perdido seus maridos no conflito enfrentaram sérios problemas financeiros e precisaram ingressar no mercado de trabalho. Esse foi o primeiro passo na direção de um processo liberalizante que parecia irreversível. Logo após o fim da guerra, em 1919, as mulheres ganharam direito ao voto. Em seguida, vieram outras iniciativas de cunho liberal – entre elas, o controle da natalidade. Resultado: o número de recém-nascidos despencou.

Continua após a publicidade

“A taxa de natalidade alemã caiu de 36 nascimentos por 1 000 habitantes em 1901 para 14,7 em 1933”, escreve a historiadora britânica Lisa Pine, da South Bank University, de Londres, no livro Nazi Family Policy (“Política Familiar Nazista”, sem tradução para o português). Mas nem todo mundo considerava bem-vinda essa escalada modernizante. A Igreja Católica e os setores políticos mais tradicionais da Alemanha enxergavam a crescente presença feminina no mercado de trabalho como sinal inequívoco de degeneração da sociedade alemã, assim como o aumento do número de divórcios e abortos. “Para os conservadores”, diz Pine, “tudo isso representava uma tragédia nacional”.

Assim que chegou ao poder, em 1933, Hitler tratou de extirpar as “modernices” do regime anterior. O ideário nazista concebia o Estado como um organismo vivo, cujo tecido fundamental eram as famílias formadas por legítimos representantes da raça ariana. Mães solteiras e casais sem filhos, ainda que loiros e de olhos azuis, passaram a ser entendidos como sintomas de deterioração social. “A família é a célula primordial do Volk”, declarou naquele mesmo ano o ministro do Interior alemão, Wilhelm Frick. “Por isso, o nacional-socialismo coloca a família no centro de suas políticas.”

Multiplicação

Logo em seus primeiros dias, o regime nazista aprovou um pacote de leis para estimular o casamento e a reprodução dos alemães. A primeira delas foi a Lei para a Redução do Desemprego, que previa concessão de empréstimos generosos a quem queria se casar. Cada casal “racialmente puro” recebia 1 milhão de marcos (cerca de 20% do salário anual médio da Alemanha na época), sem impostos e sem juros, para montar o novo lar. Só havia uma condição: que a mulher deixasse o trabalho – ou seja, entregasse seu posto a um homem desempregado – e ficasse em casa para procriar.

Continua após a publicidade

A tática funcionou. Cerca de 700 mil casais contraíram o empréstimo entre 1933 e 1937. Para o governo, foi o mesmo que acertar dois alvos com apenas um tiro. Além de promover a multiplicação de arianos, a lei ajudou a maquiar indicadores sociais. “A solução para o desemprego durante o regime nazista não se baseou só na criação de postos de trabalho, mas, sobretudo, na retirada de pessoas do mercado sem colocá-las no registro de desempregados”, explica o historiador britânico Dick Geary no livro Hitler e o Nazismo.

Não adiantava, porém, apenas manter as mulheres em casa. Era preciso que elas tivessem o maior número possível de filhos. Sendo assim, o governo aprovou a Lei de Incentivo ao Casamento, que também concedia empréstimo de 1 milhão de marcos a casais de “raça pura” recém-formados. Para cada filho gerado, o governo abatia 250 mil. Em outras palavras: com 4 rebentos, a família zerava sua dívida. Mais uma vez, a iniciativa deu certo, e a taxa de natalidade voltou a subir. “Casar e ter filhos deixou de ser uma decisão pessoal para se tornar uma obrigação racial”, diz Lisa Pine.

Nos anos seguintes, o regime criaria muitas outras leis fundamentadas no conceito de higiene racial – usadas, inclusive, para legitimar programas de esterilização e assassinato em massa. Os decretos viriam sempre acompanhados de intensas campanhas de propaganda, das quais faziam parte as condecorações com a Cruz de Honra das Mães Alemãs. Quando os soldados de Hitler amargaram as primeiras derrotas no front soviético, em 1941, quase 5 milhões de cruzes já haviam sido distribuídas.

Este texto é parte da revista Nazismo – Série Grandes Mistérios, publicada pela SUPER em abril de 2013.  

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.