Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que faz a Casa da Moeda?

É necessária uma autorização do presidente do Banco Central que, orientado pelo governo, calcula a quantidade de dinheiro a ser impresso.

Por Da Redação Atualizado em 24 jan 2018, 15h45 - Publicado em 28 fev 2003, 22h00

Único estabelecimento do país com autorização legal para realizar o sonho de qualquer mortal – transformar papel em dinheiro – a Casa da Moeda do Brasil, conhecida pela sigla CMB, faz mais que isso. Localizada no Rio de Janeiro, ela é um enorme parque gráfico protegido como um forte (são três portões de segurança máxima) e equipado com impressoras capazes de confeccionar cédulas, moedas, selos, cartões telefônicos e outros documentos que precisam de dispositivos contra falsificação, como o seu passaporte, por exemplo. A fabricação de dinheiro começa com a compra do papel, que já vem com alguns itens de segurança que as cédulas carregam. Depois, as máquinas da CMB começam a imprimi-lo com cores, imagens e colocam outros dispositivos de defesa contra falsificação. Mas, para transformar papel em dinheiro, não basta ter vontade. É necessária uma autorização do presidente do Banco Central que, orientado pelo governo, calcula a quantidade de dinheiro a ser impresso.

O conceito de casa da moeda surgiu no fim da Idade Média com a invenção da máquina tipográfica e do recibo dado para o depósito de moedas de ouro e prata aos ourives (comerciantes de metais preciosos). Com o tempo, os governos se responsabilizaram pela emissão desses recibos – que, rapidamente, ganharam status de dinheiro – e passaram a controlar as falsificações para garantir seu poder de compra. No Brasil, a primeira Casa da Moeda foi instalada em Salvador, em 1694, de onde saia o “Real Brasileiro”, conhecido como pataca. “Apesar de ser a única instituição autorizada a fabricar dinheiro no Brasil, a CMB hoje também pode prestar serviços a empresas privadas na impressão de documentos que precisam de itens de segurança”, diz Carlos Alberto Carvalho da Silva, coordenador de comunicação social da CMB.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)