GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Parte 1 – Do Big Bang ao surgimento da Terra

Uma rápida jornada pela criação de tudo que existe, inclusive certo planeta, o terceiro na fila dos que giram ao redor do Sol

Salvador Nogueira

13,7 bilhões de anos atrás
O Universo nasce do Big Bang. Ninguém pode descrever o que era no momento exato da criação – define-se como uma singularidade, em que matéria e energia estão infinitamente compactadas. O que se sabe é o que aconteceu dali em diante. O Universo se expandiu rapidamente e começou a esfriar. Em coisa de 20 minutos, os núcleos dos elementos mais simples – hidrogênio, hélio e uma pitadinha de lítio – estavam formados.

13,6997 bilhões de anos atrás
O Universo já está suficientemente frio a ponto de permitir que os núcleos atômicos se liguem aos elétrons, formando átomos neutros. Com isso, a luz pode atravessar grandes distâncias. Esses primeiros raios luminosos são hoje vistos na forma da chamada radiação cósmica de fundo.

13,3 bilhões de anos atrás
Pequenas diferenças na distribuição da matéria do Universo durante seu nascimento, impulsionadas pela gravidade, são ampliadas, formando as primeiras estrelas. São bolas gigantescas de hidrogênio e hélio, tão densas que levam à fusão dos átomos no seu interior, criando elementos mais pesados, como carbono e oxigênio – antes inexistentes.

13,29 bilhões de anos atrás
As estrelas primordiais, por serem muito grandes, consomem rapidamente seu combustível para fusão e explodem em violentas supernovas. Assim, elas “semeiam” nuvens de gás adjacentes com átomos pesados. O que sobra, após a explosão, é um buraco negro – objeto tão denso que nem a luz consegue escapar dele. As ondas de choque produzidas pelas supernovas remexem o hidrogênio cósmico e induzem à formação de novas estrelas.

13,2 bilhões de anos atrás
A gravidade faz com que as estrelas se agrupem em galáxias. No núcleo galáctico, pela colisão de vários buracos negros originados de supernovas, começam a nascer os buracos negros supermassivos. Hoje, sabe-se que há um desses no centro de cada galáxia e eles atingem o equivalente a milhões de vezes a massa do Sol.

13 bilhões de anos atrás
Galáxias menores começam a colidir para formar as maiores. Além disso, a gravidade faz com que elas se arranjem em grupos. Um conjunto de grupos forma um aglomerado de galáxias, e os aglomerados produzem os superaglomerados. O Universo começa a ganhar sua estrutura filamentar, com imensos vazios cortados por “estradas” de aglomerados.

11 bilhões de anos atrás
O disco externo da galáxia que hoje abriga o Sol e seus planetas, conhecida como Via Láctea, começa a se formar.

5 bilhões de anos atrás
A expansão do Universo, iniciada com o Big Bang, estava se desacelerando paulatinamente pela ação da gravidade exercida por seu conteúdo. Contudo, a partir dessemomento, outra força, a energia escura, passa a assumir o controle e produzir o efeito contrário: acelerar a expansão. Isso significa que os aglomerados galácticos estão se afastando cada vez mais velozmente uns dos outros.

4,6 bilhões de anos atrás
Uma nuvem de gás e poeira rica em elementos como carbono e silício começou a entrar em colapso por ação da gravidade. Em seu interior, surgiu uma bola densa, que mais tarde chamaríamos de Sol. Ao seu redor, um disco de detritos, que, por colisão, formariam oito planetas, além de um sem-número de objetos menores. Nascia o Sistema Solar e com ele a Terra.