GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como é feita uma música pop?

Esqueça o mito do compositor inspirado. Hoje, criar um hit musical é como fabricar salsicha: há uma linha de produção

 ILUSTRA: Niege Borges

Esqueça o mito do compositor inspirado. Hoje, criar um hit musical é como fabricar salsicha: há uma linha de produção com diversas etapas e a mercadoria final sempre vende bem. Conheça cada passo dessa indústria milionária

1. Tudo começa quando a gravadora decideque um de seus artistas precisa de material novo. Sem compromisso, ela pede faixas a um produtor profissional, especializado nesse tipo de tarefa. Ele pode ser orientado a compor certo tipo de música ou criar livremente

2. Os produtores criam a base da música, com a batida e uma linha de baixo. Eles possuem seu próprio estúdio e trabalham por conta própria. Também não são solitários: as duplas são muito comuns, como os Neptunes (que já compuseram para Justin Timberlake) e o Xenomania

3. Dependendo da demanda, gravadoras chegam a organizar “acampamentos” com vários profissionais para gerar várias músicas de uma vez. Muitos produtores também são artistas, como a banda indie Miike Snow, responsável por compor o hit “Toxic”, de Britney Spears

Curiosidade: Quanto mais famosa uma música ficar, melhor para o produtor, que irá atrair a atenção de mais clientes

4. Com a base pronta, entram em cena os top-liners, que criam melodia e letra. Eles podem ser procurados pelos próprios produtores ou pela gravadora – é comum que a empresa envie a base para dezenas deles. Intérpretes que compõem, como Adele, podem dispensar os top-liners e trabalhar diretamente com os produtores

5. O material gravado pelo top-liner é uma demo, uma música praticamente pronta. Como a gravadora só escolhe uma entre dezenas, os top-liners rejeitados podem oferecer suas faixas para outros artistas. “Halo”, de Beyoncé, e “Already Gone”, de Kelly Clarkson, foram feitas sobre a mesma base

Curiosidade:O maior objetivo de um top-liner é emplacar uma música com um grande artista. Dessa forma, ele cresce no ramo

6. É comum que a faixa passe por retoques de outros compositores – “Jenny from the Block”, de Jennifer Lopez, teve 11 autores. Como isso se repete com a maioria das músicas gravadas, o número de compositores creditados em um álbum varia muito – o disco Loud, de Rihanna, tem 37

7. Como as maiores estrelas geralmente têm pouco tempo para trabalhar nas músicas, as versões finais das faixas são gravadas em diversos locais. “Talk That Talk”, de Rihanna, foi gravada em quatro lugares, incluindo dois quartos de hotel e o ônibus da turnê

8. A autoria da música define quem lucra com direitos autorais e geralmente é dividida entre produtor e top-liner. Às vezes, o intérprete pode fazer mudanças e também entrar como autor. A grana vem de shows, uso em publicidade e cinema e execuções no rádio e na TV

FÓRMULA DO SUCESSO

Nenhuma música parte do zero: existem regras, artifícios e truques que, de tão praticados, ficaram rotineiros no pop para as massas

pop 1 1) Intro- FISGANDO O OUVINTE

Em qualquer música pop, a parte mais importante são os ganchos, que podem ser um trecho memorável da letra, uma melodia pegajosa ou um riff instrumental. “O ideal é uma combinação dos três”, diz a compositora Hannah Robinson. Em “Crazy in Love”, de Beyoncé, os trompetes e o refrão pegajoso são os principais.Segundo a dupla de produtores Stargate, o primeiro gancho tem que vir em no máximo seis segundos

2) Verso / Refrão LUGARES-COMUNS

A estrutura clássica da música pop, moldada nos anos 50, tem uma “intro” e um “outro”, a abertura e o encerramento que diferem do resto da canção. O recheio é composto de duas sequências de verso e refrão e outro trecho diferenciado, a ponte, que cria suspense para o clímax da faixa no terceiro refrão

Curiosidade: “Ponte” também é usado para descrever um pré-refrão depois dos versos

3) Rap – PARADA ESTRATÉGICA

Os raps (ou o dubstep ou qualquer outro ritmo alheio inserido repentinamente na música) no meio das músicas servem para que o rapper empreste sua fama ao artista novato, ou vice-versa. Muitos rappers são donos de gravadoras e gostam de ajudar seus contratados a bombar. Opcional, essa é uma adição recente à fórmula, após o estouro do hip-hop nos EUA nos anos 2000

Veja também
  • query_builder
  • query_builder

4) Ponte / Refrão – (NÃO) SEGURA A ONDA

A altura das ondas representa as frequências que a canção atinge. Físicos descobriram que, ao longo das décadas, a variação de altura diminuiu. Na prática, significa que a música pop está mais alta, para ficar mais atrativa, e que é mais difícil identificar os instrumentos. Essa tendência é conhecida como “guerra do volume”

ACORDE COM ESSE SOM

Uma pesquisa deste ano provou algo que muita gente já sabia: a sequência de acordes mais comum na música pop é C (dó), G (sol), Am (lá menor) e F (fá) na escala de dó maior. O motivo é que essa é uma progressão eficiente e fácil de fazer. Veja um vídeo que revela as similaridades de músicas com essa sequência: abr.io/acordes

A MÁGICA DO AUTO-TUNE

Programa é a salvação dos cantores de chuveiro

pop 2 1) AFINAÇÃO AUTOMÁTICA

Cada nota possui uma frequência específica. O lá, por exemplo, é atingido com 440 Hz. Quando desafinamos, é porque não atingimos esse índice. O Auto-Tune usa uma fórmula matemática para aproximar a voz da frequência desejada

2) VOZ DE ROBÔ

Quando mudamos de nota ao cantar, há uma gradação suave e natural. Mas é possível ajustar o Auto-Tune para que a transição seja mais crua, com pulos repentinos entre as notas. Esse recurso faz surgir a voz robótica, que virou mania na música pop

CONSULTORIA Hannah Robinson, compositora e top-liner, Brendan Duffey, Rick Bonadio e Victor Adura, produtores musicais

FONTES Livros This is Your Brain on Music, de Daniel J. Levitin, e Music Theory for Dummies, de Michael Pilhofer e Holly Day; sites The New Yorker, Nature.com e The-Breaks.com