Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Quais são as corridas de aventura mais radicais do Brasil e do mundo?

As provas mais extenuantes acontecem no exterior. A corrida de aventura pioneira foi o Raid Gauloises, criado em 1989. Atualmente, porém, a mais badalada é o Eco-Challenge, disputado entre 1995 e 2002. Em 2003, não houve essa competição – o principal organizador do Eco-Challenge se dedicou à produção de programas de aventura para a TV […]

Por Redação Mundo Estranho Atualizado em 4 jul 2018, 20h20 - Publicado em 18 abr 2011, 18h51

As provas mais extenuantes acontecem no exterior. A corrida de aventura pioneira foi o Raid Gauloises, criado em 1989. Atualmente, porém, a mais badalada é o Eco-Challenge, disputado entre 1995 e 2002. Em 2003, não houve essa competição – o principal organizador do Eco-Challenge se dedicou à produção de programas de aventura para a TV americana -, mas a prova pode voltar ainda em 2004. Nesse tipo de evento, que pode durar 12 dias, os participantes cruzam circuitos de até 500 quilômetros de distância em lugares como as florestas tropicais do arquipélago de Fiji, no oceano Pacífico, ou o deserto do Saara, em Marrocos. No Brasil, ainda há poucas corridas com mais de quatro dias de duração – as principais são a Expedição Mata Atlântica (EMA) e a Ecomotion Pró. “Toda corrida de aventura deve ter modalidades disputadas em equipe, compondo uma prova que é um misto de expedição e de teste de sobrevivência”, afirma o empresário Alexandre Henrique de Freitas, organizador da EMA. Nesses desafios, o objetivo de cada equipe é completar o percurso definido pela organização no menor tempo possível, orientando-se com mapas e bússolas e praticando vários esportes. Os “clássicos”, que aparecem em praticamente todas as corridas de aventura, são trekking (caminhada de regularidade no meio da mata), natação e mountain bike. Mas são modalidades mais modernas, como rapel (escalada com cordas), rafting (descida de corredeiras em botes) e canoagem, que garantem adrenalina extra às competições. Na maioria das corridas, o ritmo é frenético: os aventureiros metem-se em atividades sem parar para dormir. Outra regra comum é que a equipe tem que atravessar unida a linha de chegada. É uma estratégia para incentivar o espírito de grupo e tentar dar um pouco mais de segurança aos participantes. Afinal, o esgotamento físico é brutal, as doenças tropicais são um perigo constante e o risco de morte é real. Quase todo ano, algum competidor morre nas dezenas de corridas de aventura que acontecem ao redor do mundo.

Mergulhe nessa

Na internet:

http://www.adventuremag.com.br

Versão brasileira
Competições nacionais reúnem até 400 participantes

EXPEDIÇÃO MATA ATLÂNTICA

Quando surgiu: 1998

Duração: 6 dias

A primeira corrida de aventura do país já chegou a reunir mais de 400 participantes que fizeram trekking na selva, mountain bike, canoagem e natação. Em 2001, os competidores atravessaram o rio Amazonas em canoas e percorreram matas cheias de animais selvagens. Após ser picado por uma vespa venenosa, um componente da equipe de apoio teve um princípio de choque anafilático, uma reação alérgica que pode levar à morte

ECOMOTION PRÓ

Quando surgiu: 2000

Duração: 7 dias

A competição tem equipes de quatro participantes divididos na prática de trekking, mountain bike, ride n’run (prova que mistura cavalgada e corrida), rapel e exploração de cavernas. A prova de 2003, disputada na chapada Diamantina, no Centro-Oeste do país, teve um percurso total de 400 km. Dos 41 times inscritos, apenas 16 chegaram ao fim

No limite
Principais provas já tiveram atletas doentes e até algumas mortes

DESAFIO DE LOS VOLCANES

Quando surgiu: 2001

Duração: 6 dias

Tido como a principal corrida de aventura da América do Sul, o Desafio traz equipes de quatro participantes tentando cruzar a cordilheira dos Andes em provas de trekking, mountain bike, canoagem e rapel. O trajeto é de 400 km e atravessa uma área vulcânica. Na edição de 2002, um competidor se perdeu e precisou ser resgatado de helicóptero do alto de um vulcão a mais de 2 mil metros de altitude

SOUTHERN TRAVERSE

Quando surgiu: 1991

Continua após a publicidade

Duração: 6 a 7 dias

Essa prova tradicional ocorre todos os anos na Nova Zelândia. No cardápio das equipes de quatro integrantes estão competições de rafting, canoagem, mountain bike, trekking, rapel, natação e… frio, muito frio. Em 1992, uma tempestade de neve fez a organização mudar o percurso. Em 1997, diversos participantes tiveram hipotermia

RAID THE NORTH EXTREME

Quando surgiu: 1998

Duração: 6 dias

Acontece em terras selvagens do Canadá e os participantes passam por provas de trekking, canoagem, mountain bike, rapel e tirolesa (outra técnica de escalada com cordas). Em 2003, o grande adversário dos competidores foi uma inesperada onda de calor, que trouxe junto um pelotão de mosquitos e pernilongos

SUBARU PRIMAL QUEST

Quando surgiu: 2002

Duração: 10 dias

Nova corrida disputada nos Estados Unidos que atraiu em 2003 125 equipes. Elas fizeram provas de trekking, mountain bike e rapel. A competição oferece 250 mil dólares para o time vencedor, fazendo jus ao slogan da prova: “A corrida mais rica da Terra”

RAID GAULOISES

Quando surgiu: 1989

Duração: 6 a 7 dias

A pioneira corrida de aventura do mundo inclui exploração de cavernas, travessia em cordas e mountain bike. O histórico da competição é feroz: em 2002, os participantes tiveram que atravessar inacreditáveis 1 008 km no coração do Vietnã. No ano passado, uma atleta da França morreu afogada durante as competições de canoagem no Quirguistão. O incidente foi decisivo no cancelamento da prova de 2004

ECO-CHALLENGE

Quando surgiu: 1995

Duração: 6 a 12 dias

A prova envolve 75 equipes de quatro participantes enfrentando quase 500 km de corridas a cavalo, rafting, mergulho e mountain bike. Diversas edições foram transmitidas por canais a cabo nos Estados Unidos, transformando as corridas de aventura em uma mania. Além do desgaste físico, outro inimigo é a natureza selvagem: na prova de 2000, realizada nas florestas de Bornéu, na Ásia, pelo menos 50 competidores pegaram leptospirose da água dos rios da região

Continua após a publicidade
Publicidade