Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Qual é a origem da astrologia? Quem ajudou a criá-la?

Com a astrologia, povos aprenderam a observar os planetas e movimentos celestes. Tal conhecimento ajudou a desenvolver a agricultura e a própria ciência

Por Marcelo Testoni
Atualizado em 22 fev 2024, 10h08 - Publicado em 19 dez 2017, 16h29
.
()

Os seres humanos nunca precisaram de tecnologia de ponta para estudar os astros. O Stonehenge, aquele famoso círculo de rochas do Reino Unido, é a maior prova disso: erguido há mais de 3 mil anos, está de pé até hoje, feito só de pedra sobre pedra. A grande sacada do dominó gigante é marcar a posição do Sol ao longo do ano. Assim, os bisavós dos ingleses puderam definir a hora certa de plantar ou colher a lavoura. Bastava interpretar as sombras.

Já no Neolítico, 10 mil anos atrás, sociedades primitivas faziam uso de relógios cósmicos. As ferramentas ajudavam as tribos nos preparativos para o inverno e orientaram as primeiras plantações da História. Quando ficou claro que sabedoria celeste era sinônimo de abundância de comida, agricultura e astronomia passaram a crescer juntas.

Na Mesopotâmia, atual Iraque e berço das primeiras grandes lavouras da humanidade, arqueólogos descobriram tabuletas de argila com previsões de eclipses lunares e solares datadas de 1.000 a.C. Também encontraram mapas astrais que relacionavam mudanças no céu a intempéries terrenas, como tempestades e secas severas. Essas primeiras previsões foram feitas pelos assírios e babilônios que logo se estabeleceram na área.

Pouco a pouco, observações relativamente simplórias deram lugar a um sistema padronizado, que repartia o céu em 12 faixas, correspondentes aos 12 signos do zodíaco conhecidos até hoje. O esquema cruzava os ciclos da Lua e do Sol com os dos demais astros, anotava suas repetições e assim marcava a passagem do tempo. Mais tarde, viria o calendário detalhado, com 365 dias.

Continua após a publicidade

ECLIPSE, O GRANDE

O que os mesopotâmicos descobriram logo foi vazado para seus vizinhos. Quem primeiro usou os estudos foram os egípcios e os gregos. Depois, os persas aprimoraram o conhecimento pelas mãos de seus magos. No século 4 a.C., as conquistas de Alexandre, o Grande, formaram um bloco único de território onde o saber foi padronizado e o troca-troca cultural e científico teve ainda mais impulso.

No apogeu de Roma, a astrologia era bem recebida pela nobreza. O imperador Adriano, por exemplo, que reinou até o ano 138, não tomava uma decisão sem antes consultar seu astrólogo particular. Foi mais ou menos nesse período que o matemático grego Cláudio Ptolomeu lançou a teoria do Almagesto, de que todo o Sistema Solar girava em torno da Terra.

Embora estivesse totalmente errado, seu estudo foi o primeiro a tentar explicar as engrenagens do Cosmos. O projeto impulsionou a criação de outras obras, como o Tetrabiblos, uma coletânea de quatro livros sobre como interpretar cada um dos planetas e, a partir daí, traçar um mapa astral e calcular a longevidade individual de alguém.

Com tantas publicações surgindo sobre o assunto, não demorou para que Ptolomeu e um séquito de novos experts repartissem a astrologia em quatro correntes fundamentais. De estreia, a “mundana” buscava prever clima, guerras e eventos capazes de decidir o rumo da sociedade. Na sequência, a “natal” se concentrava nos desdobramentos após a data de nascimento de alguém ou de algo; a “horária” era calcada na hora como fator determinante para a elaboração do mapa astral; e a “eletiva” era a busca por eleger o melhor momento para tomar decisões.

Continua após a publicidade
.
()

MAPEAR É PRECISO

Segundo os historiadores, os três reis magos – famosos pela mitologia em torno de Jesus – foram inspirados em sacerdotes do zoroastrismo, uma religião persa ligada à astrologia. Daí a importância da “estrela de Belém” que os guiou à manjedoura do Messias e o trecho “vindos do Oriente”, do Evangelho de Mateus, na Bíblia, que faz alusão à sua origem, a antiga Pérsia (hoje Irã).

Com Roma saindo de cena no ano de 476, data em que o tirano Rômulo Augusto foi deposto, o conhecimento astrológico ocidental estagnou. O mundo adentrou a Idade Média e o Islã ascendeu ao trono global, tomando para si um a um os territórios gregos e persas e encontrando neles os principais livros sobre o tema, que foram transcritos para o árabe.

Com as Cruzadas, os cristãos descobriram que os muçulmanos haviam avançado a partir da astrologia rumo à matemática e às artes. Até a alquimia, precursora da química moderna, se beneficiou, pois as pesquisas sobre a relação entre metais e planetas se intensificaram.

Continua após a publicidade

Eis que o Renascimento surge na Europa na virada dos 1500 e, com ele, a disciplina torna-se a queridinha da vez. Alguns dos principais nomes da época, como Girolamo Cardano, pai da álgebra moderna, Cristóvão Colombo, descobridor das Américas, e Fernão de Magalhães, responsável pela primeira volta ao mundo pelo mar, devem muito à astrologia. Afinal, todos encontraram o sucesso por meio de tabelas e mapas planetários.

Foi também no tempo dos descobrimentos que o matemático polonês Nicolau Copérnico desenvolveu a teoria heliocêntrica, que desbancou a tese de Ptolomeu ao sugerir que o Sol, e não a Terra, estaria no centro do Universo. No entanto, por ser contrário aos ensinamentos bíblicos, a Igreja vetou o estudo.

Continuando o trabalho iniciado por Copérnico, o nobre dinamarquês Tycho Brahe tentou juntar as ideias do predecessor com as de Ptolomeu e, sem querer contestar os dogmas cristãos, criou uma teoria em que o Sol e a Lua giravam ao redor da Terra, enquanto os demais planetas orbitavam o Sol. Tamanha criatividade permitiu a Brahe construir um imenso observatório (bem antes da criação do telescópio), onde, às escondidas, professava astrologia para alunos e desenvolvia mapas astrais para clientes poderosos.

Continua após a publicidade

XEQUE-MATE DO UNIVERSO

Tycho Brahe manteve como assistente o alemão Johannes Kepler até o dia de sua morte. O auxiliar é, inclusive, o principal suspeito de assassinar o mestre e se apoderar de suas pesquisas. Mas, apesar das muitas especulações, Kepler foi aceito como sucessor natural de Brahe e usou seus cálculos e dados para afirmar que certo mesmo era o modelo proposto por Copérnico. Ponto para o heliocentrismo, ainda em 1601.

Ele também provou que as órbitas dos planetas não formavam círculos, mas elipses, ou “círculos” com pontas alongadas. Apesar de tratar a astrologia de maneira científica e consciente, Kepler foi ao extremo de prever a própria morte em um mapa astral, em 1630 – estava convencido da interação entre planetas e almas individuais.

Sua carreira foi um divisor de águas para a astrologia, pois marcou tanto o ápice da disciplina quanto o início de seu racha com a ciência. Copérnico também é culpado disso: ao propor o Sol no centro do Universo, difundiu o pensamento de que a vida humana é uma parte ínfima num sistema voltado, na verdade, a outro astro que não a Terra. O golpe acadêmico final foi dado pela astronomia moderna, criada no século 18.

Em 1990, a Nasa revelou uma foto da Terra tirada do espaço por uma sonda espacial a uma distância de 6,4 bilhões de quilômetros, provando o quão pequenos somos diante da magnitude do Cosmos. Cabe acreditar que, sem a astrologia, talvez a ciência nunca tivesse avançado tanto.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

FONTES Livros Ombros de Gigantes: A História da Astronomia em Quadrinhos, de Jane Gregorio-Hetem, Annibal Hetem Junior e Marlon Tenório; A Bruxa de Kepler, de James A. Connor; e Rumo ao Infinito, de Salvador Nogueira.

CONSULTORIA Irineu Rabuke, teólogo da PUCRS

Ombros de gigantes: a história da astronomia em quadrinhos

Ombros de gigantes

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.