Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

9 em cada 10 mortes por Covid-19 aconteceram em países com altos níveis de obesidade

A informação é de um novo estudo global, que revelou também que a mortalidade da doença é 10 vezes maior em países em que boa parte da população está com sobrepeso.

Por Bruno Carbinatto 4 mar 2021, 18h11

Quase 90% das mortes por Covid-19 no mundo aconteceram em países com altos níveis de obesidade, revelou um novo estudo global nesta quinta-feira (04). Nos lugares onde pelo menos 50% dos adultos estão com sobrepeso, a taxa de mortalidade da doença foi 10 vezes maior.

As conclusões são de um novo relatório publicado pela Federação Mundial da Obesidade, que usou dados da Universidade Johns Hopkins e da Organização Mundial da Saúde (OMS) para analisar a relação entre Covid-19 e obesidade pelo mundo. No estudo, “obesidade” foi a classificação para quem tinha um Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30; quem apresentava um número entre 25 e 30 se enquadrou na categoria de “sobrepeso”. A equipe descobriu que, das 2,5 milhões de mortes registradas até fevereiro de 2021 no mundo, 2,2 milhões ocorreram em países em que muitas pessoas estão acima do peso.

  • Em países onde menos de 40% da população está com sobrepeso, a taxa de mortalidade da Covid-19 é de cerca de 10 mortes em cada 100 mil pessoas. Mas, onde 50% ou mais dos adultos está nessa condição, a taxa sobe para 100 mortes a cada 100 mil habitantes. A correlação se manteve mesmo quando outros fatores importantes foram ajustados, como idade média da população e renda do país.

    Países como Coreia do Sul, Vietnã e Japão, que possuem taxas de obesidade menores que 5%, também possuem baixa mortalidade por Covid-19, mesmo com populações relativamente envelhecidas. Já países como Estados Unidos e Reino Unido se destacam negativamente nos dois índices: os EUA têm 67,9% de sua população com sobrepeso e 36,2% com obesidade. No Reino Unido, os números são 63,7% e 27,8%, respectivamente. Ambas as nações acumulam uma alta mortalidade por Covid-19, tanto em termos relativos como absolutos.

    No Brasil, 56,5% dos adultos estão com sobrepeso e 22,1% são obesos. Por aqui, a mortalidade também é alta: são 93,07 mortes a cada 100 mil habitantes, valor próximo aos 105,7 dos EUA.

    Apesar da obesidade já ser conhecida como um grande fator de risco da Covid-19 há muito tempo, o novo estudo complementa o entendimento ao usar dados mundiais e populacionais, e não apenas de casos específicos. O relatório também ressalta que a associação não é exclusiva do Sars-Cov-2: outras doenças respiratórias e infecções virais, como a própria gripe, são mais letais em pessoas obesas.

    Com os resultados, o grupo ressalta que a obesidade é um fator de risco e de morte “altamente relevante”, e que pessoas obesas devem ser priorizadas em campanhas de vacinação e testagem em massa. “Prevenir as crises de saúde e pandemias no futuro exige ação imediata: pedimos a todos que apoiem o apelo da Federação Mundial de Obesidade por economias mais fortes que priorizem o investimento na saúde das pessoas”, escrevem os autores.

    Continua após a publicidade
    Publicidade