Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Acordados, somos um mapa inteiro; apagados, uma linha reta

Por Ana Luísa Fernandes 13 jul 2016, 19h02

Conseguimos encontrar a consciência. Suas marcas são bem claras no nosso cérebro. E ele assim, esperto, é bem diferente do cérebro inconsciente, sedado. Para enxergar o comportamento de uma atividade cerebral consciente, cientistas anestesiaram voluntários. Enquanto estavam acordados, o cérebro ficava ativo, cheio de conexões e fluxos de ideias. Com a sedação, as redes não eram tão variadas, e o cérebro parecia executar padrões sempre repetitivos.

LEIA: Seus lugares favoritos são guardados em um lugar especial do cérebro

A consciência tem toda essa atividade, mas não é como se todos os neurônios estivessem ligadões o tempo todo. Existe um nível ideal de conectividade entre eles, uma composição ótima explorada pelo cérebro que garante que as mensagens sejam repassadas com complexidade e sentido, mas sem confusão – e é aí que mora a consciência.

Pense na cidade: para ir de um ponto a outro, é possível ir linearmente, mas, assim, não se apreende o espaço em volta, a cidade como um todo não faz sentido – é como a inconsciência. Mas, explorando os caminhos e as possibilidades entre os dois pontos, aí sim, domina-se o espaço. E é essa capacidade de circular pelas mais variadas rotas que compõe a consciência.

LEIA TAMBÉM:
 Meditação melhora a relação entre consciente e subconsciente no seu cérebro
Passarinhos também mudam de voz quando “conversam” com seus filhotes

Fonte: Large-scale signatures of unconsciousness areconsistent with a departure from critical dynamics, Enzo Tagliazucchi et al.

Continua após a publicidade
Publicidade