Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Altura pode ser fator de risco para doenças, indica estudo

Pessoas altas são mais propensas a infecções de pele e mais resistentes a doenças cardíacas, diz estudo que analisou os dados médicos de 300 mil americanos.

Por Luisa Costa
6 jun 2022, 17h22

Pessoas altas são mais propensas à neuropatia periférica e a infecções de pele e ossos. Essa foi a descoberta da maior investigação sobre altura e saúde já realizada, publicada na última quinta-feira (2). O estudo foi feito com cerca de 300 mil pessoas e liderado por Sridharan Raghavan, do Rocky Mountain Regional VA Medical Center, nos EUA.

A estatura já foi associada a alguns problemas médicos, mas os cientistas não têm certeza se ela é mesmo um fator de risco para eles – ou se outros fatores que podem afetar a altura, como a genética, os hábitos alimentares e as condições socioeconômicas, são os verdadeiros vilões. 

Raghavan e seus colegas tentaram encontrar pistas para resolver o problema e analisaram as conexões entre várias doenças e a altura de uma pessoa, assim como as conexões com a altura prevista pela genética de cada um. 

Para isso, os pesquisadores recorreram ao programa governamental Million Veteran, que inclui informações clínicas e genéticas de americanos. A equipe estudou mais de mil condições e analisou dados de mais de 230 mil adultos brancos e 60 mil adultos negros – 90% homens, todos não hispânicos, com altura média de 1,76 metro.

“Encontramos evidências de que a altura adulta pode afetar mais de cem características clínicas, incluindo várias condições associadas à [má] qualidade de vida”, afirma Raghavan em comunicado.

Os cientistas encontraram associações já indicadas por estudos anteriores: aparentemente, pessoas altas têm mais chance de apresentarem fibrilação atrial (uma arritmia cardíaca comum) e varizes. Por outro lado, parecem ser mais resistentes à doença arterial coronariana, pressão alta e colesterol alto.

Continua após a publicidade

Também apareceram novas associações. Segundo o estudo, quem é maior corre mais risco de desenvolver infecções de pele e ossos, úlceras nas pernas e nos pés, e neuropatia periférica – que pode causar perda da sensibilidade, debilidade e atrofia muscular.

“Concluímos que a altura pode ser um fator de risco não modificável e não reconhecido para várias condições comuns em adultos”, afirma Raghavan. Mas o estudo deixa claro que mais estudos – inclusive com um grupo maior e mais diversificado de pessoas – são necessários para esclarecer ou confirmar as associações encontradas.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.