Clique e assine com até 75% de desconto

As 42 palavras que quem está esperando um bebê precisa saber

O que é colostro? E puerpério? Conheça a definição das palavras misteriosas que envolvem a gravidez.

Por Marina Bessa Atualizado em 17 dez 2018, 15h07 - Publicado em 9 Maio 2018, 18h00

A

Analgesia

É uma anestesia mais branda. Na gravidez, o termo costuma se referir à anestesia dada no trabalho de parto normal, em que bases baixas de anestésico podem reduzir a dor sem tirar a mobilidade das pernas.

Apgar

Um teste que mede a saúde do recém-nascido um minuto e cinco minutos após o nascimento. Bebês com notas entre 8 e 10 estão com saúde ótima. Entre 5 e 7, podem precisar de ajuda para respirar. Abaixo de 5, pedem auxílio médico especial.

Apojadura

É a “descida do leite”. Ocorre até cinco dias após o parto. Nesse período, as mamas ficam bem cheias e, por vezes, quentes. A dor e o desconforto são aliviados com a amamentação.

  • B

    Beta HCG

    Uma fração do HCG (gonadotrofina coriônica humana), hormônio produzido pelas células precursoras da placenta. É usado no diagnóstico da gestação, tanto nos testes de farmácia quanto no de sangue.

    C

    Cardiotocografia

    Exame que avalia o bem-estar fetal. Normalmente é solicitada na fase final da gestação e realizada nos hospitais durante o trabalho de parto. Com a ajuda de sensores, são avaliados os batimentos cardíacos do bebê e as contrações uterinas.

    Cesariana ou cesárea

    É uma cirurgia abdominal de médio porte, na qual pele, músculos e útero são cortados para a retirada do bebê. É a alternativa para quando o parto pelas vias normais não tenha tido sucesso ou em caso de complicações na gravidez.

    Circular de cordão

    Ocorre quando o cordão umbilical está enrolado em alguma parte do corpo do feto. É normal que o bebê faça e desfaça circulares de cordão enquanto se movimenta no líquido amniótico. Não costuma trazer nenhum risco adicional e não deve ser, por si só, uma indicação de cesárea.

    Colostro

    Espécie de pré-leite secretado nos primeiros dias de amamentação pós-parto. Contém nutrientes fundamentais para o recém-nascido, como água, proteínas e anticorpos. Pode vazar mesmo antes do parto.

    Contrações de Braxton Hicks

    Também chamadas de contrações de treinamento, são indolores, aparecem aleatoriamente e deixam a barriga bem dura por 30 a 60 segundos. Podem ser sentidas a partir da 16ª semana de gestação, apesar de serem mais comuns no terceiro trimestre.

    Curva glicêmica

    É a representação gráfica de como o açúcar é metabolizado pelo organismo. Em gestantes, o exame é pedido após as 23 semanas de gravidez para afastar a possibilidade de diabete gestacional. Em jejum, é oferecido um líquido rico em glicose e faz-se a retirada de sangue depois de uma, duas e três horas do consumo.

  • D

    Dilatação

    Diz-se da dilatação do colo do útero, provocada pelas contrações uterinas que se iniciam com o trabalho de parto. Quando o colo do útero chega a 10 centímetros de dilatação, inicia-se o período expulsivo.

    Distócia de ombro

    Ocorre quando, após a passagem da cabeça, há uma dificuldade da passagem do ombro do bebê, que fica encaixado no osso púbico da mãe. Uma emergência obstétrica, que pode levar à morte do feto.

    Doula

    Doulas são mulheres que oferecem apoio emocional e físico, tiram dúvidas e orientam gestantes antes, durante e depois do parto. Normalmente, fazem um curso específico para doulas. Não realizam nenhum procedimento médico. Sua presença durante o trabalho de parto tende a diminuir as taxas de cesárea.

    E

    Enfermeira obstétrica

    Enfermeira com especialização em obstetrícia. É capacitada para atuar no pré-natal e em partos normais de baixo risco. Como tem formação em enfermagem, é habilitada para trabalhar em áreas como UTIs e prontos-socorros. Pode pedir exames de pré-natal e deve estar preparada para analisar os resultados.

    Epi-no

    Um dispositivo que se propõe a treinar o assoalho pélvico e a vagina para o parto. É formado por um balão de silicone inflável, que simula a cabeça do bebê. Durante o treino, o aparelho é introduzido no canal vaginal e insuflado progressivamente, para trabalhar o alongamento da musculatura perineal.

    Episiotomia

    É um corte cirúrgico feito na região do períneo com a intenção de ampliar o canal de parto. Virou uma prática sistemática a partir da década de 1940 em todo o mundo, apesar de nunca ter tido sua efetividade e segurança comprovados. A Organização Mundial da Saúde (OMS) defende sua aplicação em, no máximo, 10% dos casos.

  • F

    Fórceps

    Instrumento semelhante a uma pinça, mas com extremidades curvas. Usado para puxar o bebê na fase de expulsão do parto normal quando existe uma indicação específica para isso, como sofrimento fetal ou exaustão da mãe.

    G

    Gestação prolongada

    Diz-se da gestação que ultrapassa as 42 semanas. Também chamada de gestação pós-termo, pode trazer riscos à mãe e ao bebê, em decorrência do envelhecimento da placenta. Pode requerer indução do parto.

    I

    Indução do parto

    Este método é colocado em prática quando se considera que não vale mais a pena esperar pelo início natural do parto. Durante a indução, podem ser utilizados hormônios ou métodos mecânicos.

    L

    Linha nigra

    Uma linha escura que divide o músculo abdominal, formando uma listra vertical escura que desce do peito em direção ao púbis. Desaparece alguns meses após o parto.

    M

    Macrossomia fetal

    A definição mais clássica considera macrossômicos os bebês com peso ao nascimento igual ou superior a 4 kg. Mulheres diabéticas ou obesas têm mais propensão à macrossomia fetal, que pode trazer riscos ao bebê e causar complicações no parto.

    Continua após a publicidade

    Mastite

    Inflamação no tecido das mamas, que pode virar uma infecção. Os sintomas mais comuns são vermelhidão, inchaço e febre. Afeta 10% das mulheres e é mais comum nas primeiras semanas de amamentação.

    Mecônio

    São as primeiras fezes do recém-nascido. Tem cor bem escura e consistência viscosa. O normal é que o bebê elimine o mecônio nas primeiras 12 horas após o nascimento, mas ele também pode ser excretado no líquido amniótico – em alguns casos, isso pode ser indício de algum grau de sofrimento fetal.

    O

    Obstetra

    Médico especialista que estuda a reprodução da mulher e o desenvolvimento do feto. É quem costuma acompanhar o pré-natal e diagnosticar patologias durante a gestação. Só ele pode aplicar medicações ou realizar parto fórceps e cesarianas.

    Obstetriz

    Popularmente conhecida como parteira. Precisa ter curso superior em obstetrícia (no Brasil, o único existente é na USP Leste) e está apta a acompanhar a mulher no pré-natal e fazer partos normais de baixo risco.

    Ocitocina

    Hormônio responsável por promover as contrações uterinas, reduzir o sangramento durante o parto, estimular a liberação do leite materno e desenvolver o vínculo entre mãe e bebê. A versão sintética é adotada para induzir o trabalho de parto e prevenir hemorragias uterinas.

    P

    Parto ativo

    Conceito surgido em Londres nos anos 1980. Defende que a mulher é a protagonista do parto. A ideia é que ela siga seus instintos e o conduza.

    Parto humanizado

    O conceito é amplo e polêmico. Mas é consenso que, em um parto humanizado, as decisões da mulher são levadas mais em conta que em um parto convencional. Pressupõe o mínimo de intervenções possível e apenas autorizadas pela gestante.

    Parto natural

    Além de ser por via vaginal, o parto natural enfatiza a não utilização de intervenções médicas, como anestesia ou substância para acelerar as contrações. Está relacionado ao parto ativo e à conduta humanizada.

    Parto normal

    Parto vaginal. Podem ser utilizados procedimentos e intervenções que não são aprovados na conduta chamada de humanizada, como indução com ocitocina, episiotomia, analgesia ou uso de fórceps.

    Peridural

    Uma anestesia aplicada entre as vértebras, nas costas, que deixa a paciente sem sensibilidade apenas do peito para baixo, permanecendo consciente. É a anestesia mais usada nos partos vaginais.

    Períneo

    Nome da região localizada entre a vagina e o ânus, que sustenta todos os órgãos pélvicos. É uma musculatura muito exigida durante a gravidez e o trabalho de parto.

    Plano de parto

    Um documento em que a gestante deixa registrado o que deseja em relação às etapas do trabalho de parto, aos procedimentos médicos durante o parto e aos cuidados com o recém-nascido. Por lei, o obstetra deve recebê-lo e tentar segui-lo.

    Pré-eclâmpsia

    Nome dado à hipertensão arterial específica da gravidez. Tem como principais sintomas pressão alta, inchaço e perda de proteína pela urina. Pode evoluir para a eclâmpsia, forma grave da doença que põe em risco a vida da mãe e do feto.

    Prolactina

    Hormônio que, durante a gravidez, tem a função de preparar as glândulas mamárias para produzir leite. No pós-parto, sua produção é estimulada pela sucção do bebê. Interfere na disposição sexual da mulher, reduzindo a libido.

    Puerpério

    Fase do pós-parto em que a mulher experimenta modificações físicas e psicológicas até que retorne ao estado anterior à gravidez. O tempo de duração é controverso, mas, em geral, aceita-se que ele termina com o retorno da ovulação.

  • S

    Sexagem fetal

    Exame de sangue que pode identificar o sexo do bebê a partir da oitava semana de gestação.

    Sofrimento fetal

    Também chamado de hipóxia neonatal, ocorre quando o feto passa por períodos de privação de oxigênio, recebido por meio da placenta. Pode ocorrer antes ou durante o parto e é normalmente identificado com base em um padrão de frequência cardíaca anormal do feto.

    T

    Termo

    No Brasil, bebês a termo são aqueles nascidos entre a 39ª e 41ª semana de gestação. Crianças nascidas dentro desse período evoluem melhor do que os nascidos antes disso.

    Tricotomia

    Raspagem dos pelos pubianos. Segundo diretriz do Ministério da Saúde, não deve ser feita como rotina durante o trabalho de parto.

    V

    Vácuo extrator

    Instrumento em forma de semicírculo ligado a uma bomba a vácuo. Utilizado para auxiliar a retirada do bebê.

    Violência obstétrica

    O termo é utilizado para designar o desrespeito à mulher na hora do parto. Pode se referir a um tratamento grosseiro, a restrições de direitos garantidos por lei (como a presença de um acompanhante) ou à realização de procedimentos que não devem ser feitos de rotina, como a episiotomia.

    Continua após a publicidade
    Publicidade