Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bluetooth cerebral: nova interface cérebro-computador lê pensamentos

Traduzindo sinais dos neurônios, implante permite que pessoas com a mesma doença degenerativa de Stephen Hawking usem o WhatsApp e mandem e-mails.

Por Alexandre Carvalho Atualizado em 25 jul 2022, 10h43 - Publicado em 18 jul 2022, 19h33

Portador de esclerose lateral amiotrófica (ELA), que lhe tirou quase todos os movimentos do corpo, o físico Stephen Hawking conseguia se comunicar por meio de um gerador de fala. Esse sistema usava um sensor infravermelho nos óculos do gênio para rastrear pequenos movimentos, quase imperceptíveis, no rosto de Hawking. Era com mínimas contrações nas bochechas que o físico britânico conseguia comunicar ao gerador o que ele queria falar. 

Num futuro próximo, pacientes dessa doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, provocando uma paralisia motora irreversível, podem ter uma maneira muito mais fácil de “falar”. Isso graças a uma tecnologia de interface entre cérebro e computador, que praticamente lê os pensamentos do indivíduo – um sonho futurista que acaba de se transformar em realidade.

Neste começo de julho, no hospital Mount Sinai West, em Nova York, um paciente com ELA recebeu, num vaso sanguíneo de seu cérebro, um implante de interface do órgão com computador – produto da startup de tecnologia Synchron. Esse dispositivo, chamado stentrode, usa 16 eletrodos para monitorar a atividade cerebral e registrar o disparo de neurônios quando uma pessoa pensa. Ele então consegue ler os sinais emitidos pelos neurônios, amplificá-los e enviá-los para um computador ou smartphone via Bluetooth. 

É assim que o stentrode traduz os pensamentos do indivíduo, permitindo que a pessoa recupere capacidades que a doença já havia lhe tirado. O paciente no hospital nova-iorquino já está numa fase avançada da esclerose, perdeu toda a sua capacidade de falar e se mover. Mas os médicos e os pesquisadores da Synchron esperam que ele consiga se comunicar por e-mail e mensagens de texto, apenas pensando. Uma expectativa que tem razão de existir.

Antes desse paciente nos EUA, a Synchron já havia implantado seus dispositivos em quatro pacientes com ELA na Austrália. E os resultados pareceram um milagre: superando suas paralisias e perda da fala, eles conseguiram realizar tarefas como enviar mensagens de WhatsApp e fazer compras online. 

E isso levando em consideração que o stentrode ainda precisa melhorar seu poder de computação. Atualmente, os pacientes com o implante têm de escolher letras com o pensamento, uma a uma, em uma tela – o dispositivo não traduz frases inteiras. 

Continua após a publicidade

Pouco invasivo

O dispositivo da Synchron não é o primeiro do mundo a realizar essa interface cérebro-computador para melhorar a qualidade de vida de pessoas com limitações. Já há uma tecnologia, conhecida como Matriz de Utah, só que é mais limitada e bem mais invasiva. Ela exige que os médicos cortem o couro cabeludo da pessoa e perfure o crânio dela para espetar agulhas no cérebro. Elas então se conectam a um dispositivo do tamanho de um limão no topo da cabeça da pessoa. 

Já com a interface da Synchron, o dispositivo é inserido de modo semelhante ao implante de um stent coronário. Um procedimento que leva poucos minutos e não demanda cortes no crânio.

Um médico faz uma incisão no pescoço do paciente e insere o stentrode com um cateter, através da veia jugular, em um vaso sanguíneo no córtex motor. Conforme o cateter é retirado, o stentrode se abre como uma malha de arame cilíndrica e oca (veja a imagem). E então começa a se fundir com as bordas externas do vaso sanguíneo.

.
Synchron/Divulgação

Um segundo procedimento conecta o stentrode através de um fio a um dispositivo de computação implantado no peito do paciente. Para isso, o cirurgião cria um túnel para o fio e um bolso para o dispositivo sob a pele, parecido com o que é feito para acomodar um marcapasso.

Apesar da excitação com as atividades que os pacientes com ELA têm conseguido desenvolver graças ao implante, esses primeiros testes têm mais foco em verificar como o corpo humano reage ao stentrode e quão claros são os sinais cerebrais. 

É um começo. Mas que pode deixar indivíduos com a terrível esclerose lateral amiotrófica mais esperançosos em relação à sua capacidade de comunicação.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade
Saúde
Bluetooth cerebral: nova interface cérebro-computador lê pensamentos
Traduzindo sinais dos neurônios, implante permite que pessoas com a mesma doença degenerativa de Stephen Hawking usem o WhatsApp e mandem e-mails.

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade