Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas criam músicas que estimulam cérebro de prematuros

Pesquisadores investigaram como certas composições podem ajudar esses bebês a se desenvolverem fora do útero

Por Ingrid Luisa
Atualizado em 4 jun 2019, 21h27 - Publicado em 4 jun 2019, 21h26

O cérebro de bebês que nasceram antes de 37 semanas de gestação – os prematuros – pode levar mais tempo para se desenvolver. Passar nove meses (ou 40 semanas completas) na barriga é essencial para que todo o corpo da criança nasça formado. E isso vale para a massa cinzenta.

Não bastasse serem tirados às pressas do ventre materno, esses pequenos ainda passam dias (ou semanas) em incubadoras, longe do colo da mãe. Por mais quentinhos e aconchegantes que sejam esses “berços”, o ambiente da UTI neonatal acaba sendo bem estressante para os baixinhos que acabaram de chegar ao mundo – o que pode causar ainda mais atrasos no desenvolvimento.

Mas, segundo um novo estudo conduzido por pesquisadores de duas universidades na Suíça, a música pode ser uma aliada no amadurecimento do cérebro dos prematuros. De acordo com os autores do trabalho, o sistema auditivo é funcional desde muito cedo na formação do bebê, então o som é algo que eles entendem bem logo que saem da barriga – mesmo que antes do tempo.

Continua após a publicidade

Só que não é qualquer melodia que tem o poder de ajudar os prematuros (nem mesmo a Galinha Pintadinha). Para descobrir o tipo de composição que atingiria esse feito, os pesquisadores se uniram ao músico suíço Andreas Vollenweider e a uma enfermeira especializada em bebês pré-termo. Eles selecionaram instrumentos específicos que poderiam estimular os pequenos.

A equipe também recrutou alguns recém-nascidos prematuros e os dividiram em dois grupos: um ouviu música e o outro, não. Havia ainda um terceiro grupo, formado por bebês que nasceram aos nove meses – eles foram usados para comparar como se daria o desenvolvimento cerebral dos prematuros. A atividade cerebral de todos os bebês foi monitorada com ressonância magnética.

Os resultados mostraram que, nos pequenos que não ouviram qualquer melodia, a conexão entre diferentes áreas do cérebro era mais fraca em relação aos baixinhos que chegaram ao mundo no tempo certo. Já os prematuros que curtiram um som apresentaram um avanço muito mais rápido das redes neurais ligadas a funções sensoriais e cognitivas – semelhante ao que acontecia no cérebro das crianças que passaram mais tempo na barriga da mãe.

Continua após a publicidade

“O instrumento que mais gerou reações foi a flauta dos encantadores de serpentes indianas (o punji)”, diz Lara Lordier, que participou do estudo. “Crianças muito agitadas se acalmaram instantaneamente, sua atenção foi atraída pela música”, relata.

Ao final do estudo, Vollenweider escreveu três composições, cada uma com oito minutos, usando punjis, harpa e sinos – os três instrumentos favoritos dos pequeninos. Agora é esperar essas canções serem liberadas no Spotify.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.