Clique e assine a partir de 8,90/mês

Conspiração e remédio da malária: biólogo esclarece notícias sobre Covid-19

O pesquisador da USP Luiz Gustavo de Almeida explica o que é mito, verdade ou exagero nas notícias sobre coronavírus que circulam no WhatsApp.

Por Carolina Fioratti - Atualizado em 25 mar 2020, 14h24 - Publicado em 20 mar 2020, 17h24

A Covid-19 está assombrando os brasileiros. Diariamente, a população é bombardeada por notícias que citam novos estudos publicados em periódicos científicos. Mas será que tais artigos estão sendo interpretados da maneira correta?

Para tirar as dúvidas que estão em alta – trata-se de uma conspiração chinesa? O vírus é uma criação artificial? O ibuprofeno é mesmo contraindicado? –, conversamos com Luiz Gustavo de Almeida, pesquisador do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e coordenador do Pint of Science Brasil, um evento de divulgação científica que rola em bares e restaurantes de todo o País. 

Luiz Gustavo de Almeida/Superinteressante

Como um vírus que se hospeda em outro animal evolui para infectar humanos? 

O vírus sofre mutações naturalmente. No caso do Sars-CoV-2, vemos nas ilustrações que ele é envolto por uma espécie de coroa de espinhos – que são proteínas chamadas spikes. São essas proteínas que se modificam para permite que ele infecte outras células, diferentes das que já está acostumado a infectar. Sejam essas células humanas ou de outros mamíferos. 

Quando o vírus penetra a célula, sua cápsula externa se desfaz e sobra apenas seu material genético no interior da célula infectada. É nesse material genético que estão as informações para produzir proteínas (como as spikes) que revestem o vírus.

Continua após a publicidade

Uma célula infectada pode produzir centenas, milhares de novos vírus. É nesse ponto que ocorre a evolução. A cópia do material genético nem sempre é perfeita. Quando você está escrevendo um texto e comete um erro de digitação, uma letra pode modificar sua frase inteira. É o que ocorre com os vírus – ocorrem erros na informação genética que causam uma mudança nas proteínas. 

Tudo isso demora para acontecer – não é de uma hora para outra que o vírus decide modificar e infectar alguma coisa. As mutações ocorrem por acaso e uma hora pode acontecer do vírus ganhar a mutação necessária para conseguir passar para outro hospedeiro. A seleção natural não ocorre apenas com vírus, mas com todas as espécies. Todos os seres tem material genético e são suscetíveis a erros de cópia no genoma. 

Por que o vírus SARS-CoV-2 não pode ter sido criado em laboratório? 

Os boatos surgem na internet porque as pessoas sempre tentam procurar algum culpado. Fica essa história de cientista malvado que criou o vírus em laboratório. Mas pense assim: se você tem um carro modificado, com rodas diferentes, por exemplo, um mecânico consegue identificar que o veículo passou por alguma mudança. O mesmo ocorre com vírus. Se cientistas modificam sua estrutura, sobram rastros dessa alteração que podem ser observados por outros cientistas. 

Os vírus não são criados do zero. Em laboratório, os cientistas pegariam um modelo de coronavírus já existente (no caso, poderia ter sido o causador da epidemia de SARS, de 2002), e fariam modificações em cima dele. Mas estudos recentes mostram que não há marcas de modificação, descartando essa teoria. 

Continua após a publicidade

Os vírus em laboratório são cultivados em meio a uma sopa de células. Você pega células humanas específicas e coloca o vírus na mesma cultura. Então, o vírus infecta as células e vai se replicando. Fazemos isso em estudos. O que acontece é que usamos apenas um tipo de célula, e para as modificações vistas no SARS-CoV-2, precisaríamos usar mais células (como as do sistema imune, os glóbulos brancos). Elas são multo complicadas de se cultivar, não temos tecnologia para isso.

Quais são as hipóteses sobre a origem deste vírus?

A primeira é que esse vírus passou a ser patogênico ainda quando estava em algum hospedeiro não humano – talvez morcegos ou pangolins. Talvez ele não causasse a doença em animais, não havia sinais. Porém, dentro deles, se replicou até adquirir mutações em suas proteínas que o tornaram capaz de infectar pessoas. Ele chegou aos humanos e, como se espalha muito bem, acabou causando essa pandemia.

A segunda hipótese é que a mutação nas proteínas tenha ocorrido já em humanos. O vírus se tornou capaz de infectar pessoas dentro das própria pessoas, e só depois começou a causar a Covid-19. Os hospedeiros, de início, transmitiam o vírus sem sintomas (a maioria dos transmissores ainda são assintomáticos). Essa é a hipótese que os autores defendem mais. Mas isso não aconteceu do dia para a noite. O vírus provavelmente já estava circulando desde o ano passado, talvez setembro ou até antes. 

Podemos afirmar que a hidroxicloroquina, medicamento usado para combater a malária, pode ser um combatente contra o novo coronavírus? Quais são as implicações de divulgar isso para o público geral?

Continua após a publicidade

Essa droga é utilizada por pessoas com doenças autoimunes, como lúpus. Há estudos antigos sobre ela promissores, feitos em laboratório. Os cientistas pegavam o vírus, cultivavam na sopa de células e colocavam a droga junto. No laboratório era muito eficaz, o vírus não se espalhava naquela população de células.

No novo estudo, foi feito um teste bem preliminar em humanos. Participaram 26 pessoas. Destas, uma morreu mesmo utilizando o medicamento. Outras cinco abandonaram os testes, seja por agravamento de seus problemas ou apresentação de efeitos colaterais, como náusea. Então os resultados não são completamente satisfatórios. 

Os outros 20 realmente se recuperaram bem, mas permanecem todas essas perguntas: Por que alguém morreu? Por que um grupo abandonou os estudos? A ideia dos autores foi publicar de forma rápida para que outros pesquisadores utilizassem a droga para novos estudos com melhor qualidade, essa é a maneira dos cientistas de se comunicarem. Mas estudo possui falhas, faltou acompanhar mais pessoas e até comparar com pacientes recebendo placebos.

O maior problema é que a população, inclusive no Brasil, correu para as farmácias e esgotou o medicamento. Ele é usado rotineiramente por algumas pessoas com outras doenças. Elas não podem ficar sem ele. Por isso, algumas farmácias suspenderam as vendas e estão oferecendo a hidroxicloroquina apenas para hospitais e pessoas que precisam.

A hidroxicloroquina é promissora. Mas não sabemos os efeitos colaterais. Tomar uma superdose disso sem ter os sintomas pode fazer você morrer não por conta do coronavírus, mas por overdose do remédio. Esse é o estrago quando uma pesquisa promissora é divulgada de forma errada.

Continua após a publicidade

Também saíram diversas notícias sobre os efeitos colaterais que o ibuprofeno poderia apresentar em pacientes com o novo coronavírus… 

Foi divulgado um um estudo bem preliminar relatando que, ao tomar ibuprofeno, você se torna mais suscetível a contrair o vírus. Esse remédio é utilizado para outros tratamentos, como o de hipertensão, e os pacientes ficaram com medo de tomar. 

Esse palpite não foi comprovado. Na verdade, era uma sugestão – uma opinião de alguns cientistas. Eles observaram uma correlação entre os pacientes que tomavam o remédio e eram infectados, mas não fizeram testes com grupos controlados. O problema é que na mídia a informação sai do jeito mais simples, rápido e errado, e é isso que a população consome. 

 

Muitas notícias têm circulado na internet mostrando maneiras de evitar a propagação do vírus – como tomar vitamina C para aumentar a imunidade. Você poderia esclarecer qual é o método correto para evitar a doença? 

Continua após a publicidade

Ele é um vírus que se dispersa muito bem tanto pelo ar quanto contaminando superfícies. Alguma outra pessoa está com a mão contaminada pelo vírus, passa para a sua mão e por instinto você acaba coçando o olho, o nariz ou encostando na boca. Então você se infecta. Pelo ar, a pessoa espirra ou tosse perto de você e partículas de saliva com o vírus se propagam. Como ele é muito pequeno, acaba entrando nas vias aéreas. Essas são as formas de contágio. 

Nesse momento, precisamos acompanhar as recomendações do Ministério da Saúde. As indicações são o distanciamento social e lavar as mãos com água e sabão. O álcool em gel é mais prático quando está na rua, mas lavar as mãos é o principal. A história da vitamina C sempre volta como forma de fortalecer o sistema imunológico, mas nada disso é comprovado.

Publicidade