Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como funciona a esgrima paralímpica?

As roupas dos esgrimistas não são importantes apenas para protegê-los, elas têm sensores que indicam quando o atleta foi tocado

Por Pâmela Carbonari Atualizado em 26 ago 2021, 12h45 - Publicado em 13 set 2016, 17h38

Texto publicado originalmente em 2016

A esgrima é competida desde a primeira edição dos Jogos Paralímpicos, em Roma, no ano de 1960 – cinco anos antes, nos Jogos Internacionais de Stoke, o esporte foi disputado por veteranos de guerra. Já a primeira medalha do Brasil na esgrima paralímpica veio em 2012: o gaúcho Jeovane Guissone derrotou os franceses Marc Cratere e Alim Latreche e trouxe o ouro para casa.

Na Paralimpíada, a tradicional dança de ataque e defesa dos esgrimistas fica a cargo dos braços do paratleta. Os esportistas competem com suas cadeiras presas a trilhos fixados na pista que tem 4 metros de comprimento por 1,5 metros de largura. Se um dos atletas mover a cadeira, o combate é interrompido.

As armas utilizadas são as mesmas da modalidade convencional: florete, espada e sabre. O florete é uma lâmina leve de 110 cm – quando um dos competidores encosta no tronco do adversário com a ponta do florete, marca ponto. A espada é rígida, pesada e tem o mesmo comprimento do florete – o competidor pontua quando a ponta da arma toca qualquer parte acima dos quadris do rival. O sabre é flexível e leve como florete, mas tem 5 cm a menos de comprimento – isso permite que o atleta faça movimentos mais rápidos. Para marcar ponto com um sabre, o esgrimista deve atingir o oponente com a ponta ou a lâmina de seu sabre em qualquer parte acima dos quadris.

As roupas dos esgrimistas não são importantes apenas para protegê-los. Elas têm sensores que indicam quando o atleta foi tocado: luzes vermelhas ou verdes se acendem para indicar que um ponto foi marcado em determinada parte do corpo.

Mas não se engane pela complexidade das armas e roupas, é jogo rápido: a primeira rodada dos combates dura três minutos ou até um dos esgrimistas marcar cinco pontes. Depois disso, acontecem três rodadas de três minutos cada ou até que um dos competidores faça 15 pontos. Quando o esporte é praticado em equipe, vence quem fizer 45 pontos ou tiver tocado o rival mais vezes até o final do combate.

Continua após a publicidade

Publicidade