Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Helicóptero Ingenuity, da Nasa, realiza primeiro voo em Marte. Veja quais são os próximos passos

O primeiro voo bem sucedido em outro planeta ocorreu na manhã desta segunda-feira (19). Entenda por que o feito foi tão desafiador e quais são os próximos voos planejados

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 19 abr 2021, 18h49 - Publicado em 19 abr 2021, 18h42

O helicóptero Ingenuity, da Nasa, foi o primeiro objeto a voar em outro planeta. Ele estava guardado dentro do rover Perseverance, que pousou em Marte em fevereiro deste ano. No dia 3 de abril,o pequeno helicóptero saiu do rover e tocou o solo do planeta, onde ficou aguardando as instruções para o voo. 16 dias depois, o Ingenuity cumpriu sua missão com sucesso.

As imagens foram feitas pelo próprio rover Perseverance, à distância, e enviadas à Terra. O Ingenuity atingiu 3 metros de altitude, onde permaneceu estável por 30 segundos. O helicóptero deu uma volta no ar e aterrissou. A duração total do voo foi de 39.1 segundos.

As instruções para o voo foram enviadas com antecedência pela equipe do Jet Propulsion Laboratory, mas o helicóptero voou sozinho. A equipe não poderia controlar o Ingenuity em tempo real, já que os comandos da Terra teriam que viajar centenas de milhões de quilômetros para chegar a Marte – um sinal de rádio demora entre 5 e 20 minutos para chegar lá, dependendo da posição do planeta em relação à Terra.

A solução foi desenvolver algoritmos para que o próprio helicóptero tomasse as “decisões” diretamente de Marte. E deu certo. A decolagem ocorreu às 04h34 desta madrugada (horário de Brasília), mas a equipe da Nasa só soube que o voo havia sido bem sucedido às 07h46.

Por que é tão importante?

Continua após a publicidade

Por mais que esse seja o primeiro voo controlado em outro planeta, ficar menos de 40 segundos pairando no ar não parece grande coisa. Afinal, se temos tecnologia para manter um avião voando por 18 horas seguidas na Terra, o que seria diferente em Marte?

O primeiro ponto é a baixa densidade atmosférica do nosso vizinho planetário. A atmosfera de Marte é extremamente rarefeita, e equivale a 1% da densidade na Terra. Isso significa que quase não há ar para “empurrar” o chão e fazer o equipamento subir. Por conta disso, os engenheiros empregaram materiais ultra leves, como nanotubos de carbono, na confecção do helicóptero.

O Ingenuity possui apenas 1,8 quilos de massa. O mini-helicóptero ainda carrega painéis solares, baterias, sensores e câmeras, antenas, computadores de navegação e, claro, as pás para alçar voo e pés para aterrissar.

  • Para sustentar o Ingenuity no ar de Marte, as pás do helicóptero também precisaram girar rapidamente, totalizando 2,5 mil rotações por minuto. A gravidade do planeta vermelho, no entanto, dá uma mãozinha: ela é apenas um terço da gravidade terrestre, o que significa que mais massa pode ser levantada com menos força.

    Outro desafio era manter o equipamento aquecido durante as noites marcianas, que podem atingir -90ºC. A bateria deixou o Ingenuity aquecido a uma temperatura de 7ºC, o suficiente para ele operar normalmente.

    Próximos voos

    A equipe do Jet Propulsion Laboratory vai receber e analisar os dados deste voo ao longo dos próximos três dias. O segundo voo experimental deve ocorrer a partir do dia 22 de abril (quinta-feira). O helicóptero deve atingir altitude de até 5 metros e voar 15 metros para frente antes de voltar à posição inicial. O terceiro voo, planejado para o dia 26, deve atingir 50 metros de distância antes de retornar ao local original.

    Além desses, a equipe planeja realizar mais dois voos, nos dias 29 de abril e 2 de maio. O período totaliza um mês desde que o Ingenuity saiu de dentro do Perseverance e tocou o solo de Marte.

    Em uma coletiva de imprensa realizada hoje, a equipe mencionou que o plano é fazer com que o helicóptero vá “mais alto, mais longe e mais rápido” nos próximos voos. A gerente do projeto, MiMi Aung, espera que ele se desloque pelo menos 600 metros em seu último voo. Ela disse que a intenção é forçar o Ingenuity até o limite, e por conta disso, é possível que ele caia e quebre durante esse processo. Não espere ver o helicóptero intacto por muito tempo.

    O Ingenuity atendeu às previsões da equipe e mostrou o que é necessário para realizar voos em Marte. Os próximos helicópteros que viajarem até lá poderão fornecer dados e imagens únicas, de locais que os rovers (como o Perseverance) não alcançam.

    Ainda não existem planos de colocar um segundo helicóptero em Marte, mas Bob Balaram, engenheiro-chefe do Ingenuity, disse que a equipe começou a rascunhar um equipamento com dez vezes mais massa, capaz de voar com mais sensores, câmeras e instrumentos de pesquisa.

    Continua após a publicidade
    Publicidade