Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sua casa vai te consolar quando você chegar triste

Cientistas criaram uma inteligência artificial capaz de compreender o que você está sentindo - e de deixar a sua casa preparada para a raiva, o medo, a tristeza e a alegria

Por Helô D'Angelo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 mar 2024, 11h29 - Publicado em 22 set 2016, 15h15

Imagine a cena: você está triste depois de um dia super difícil de trabalho. Você chega em casa, abre a porta e, na cozinha, um café fresquinho está passando – o cheiro te leva direto para as lembranças confortáveis da sua infância. Lar doce lar. Agora o oposto: você foi promovido, entra dançando de alegria em casa – e de cara começa a tocar Eye of The Tiger.

Essa parece até uma cena da série Black Mirror (a da imagem aí em cima), mas, em breve, pode se tornar realidade: um grupo de cientistas do Laboratório de Inteligência Artificial de Computação e Ciência (CSAIL) do MIT acaba de criar uma inteligência artificial capaz de ler emoções – e de interagir com elas.

 

Batizado de EQ-Radio, o dispositivo capta as suas frequências cardíaca e respiratória e, a partir delas, determina que emoção está dominando seu coraçãozinho. E não precisa de fios e eletrodos, não: todas as informações são colhidas via wireless – então, basta você chegar em casa para a magia acontecer.

Na prática, o que o EQ-Radio faz é emitir um sinal sem fio, que é refletido pelo corpo das pessoas de volta para o aparelho. Aí, a máquina lê as informações contidas no sinal, e compara com um banco de dados gigante, cheio de informações sobre centenas de pessoas – todos reunidos em um estudo anterior. Nesse estudo, os participantes assistiam filmes de comédia, drama, terror e romance enquanto tinham suas emoções, seus batimentos cardíacos e suas frequências respiratórias cuidadosamente catalogadas pelo EQ-Radio.

Uma vez compreendida a sua emoção naquele momento, o EQ consegue criar uma atmosfera mais apropriada para o seu humor: se você está tristonho, ele pode colocar uma música alegre para te animar; se você está apaixonado, ele pode diminuiras luzes para ~pintar aquele clima~, e por aí vai.

Continua após a publicidade

E não é só isso: a ideia dos cientistas é que o dispositivo seja útil também para colher informações de pessoas que sofrem de depressão, transtorno bipolar e ansiedade, o que ajudaria a regular remédios e a checar se determinado tratamento está funcionando ou não. Outra ideia dos caras é monitorar a saúde cardíaca e respiratória de quem tiver o EQ.

Por enquanto, o leitor de emoções consegue prever quatro emoções – felicidade, tristeza, raiva e excitação – com 87% de certeza. É baixo: o EQ ainda se confunde quando as emoções estão misturadas, como quando ficamos tristes e com raiva ao mesmo tempo, ou quando estamos melancólicos ou com saudade. Ou seja: ainda falta um bocado de calibragem para que o dispositivo entre no mercado e transforme o cotidiano em um episódio de Black Mirror.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.