Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Publicidade

Tudo sobre DNA

Pessoas que vivem mais de 105 anos podem ter genes que reparam o DNA
Ciência

No máximo 7% do nosso DNA é exclusivo dos humanos modernos, diz estudo

Por Luisa Costa Atualizado em 20 jul 2021, 18h57 - Publicado em 20 jul 2021, 18h56
Pesquisadores analisaram genomas humanos modernos em comparação a genomas de hominídeos e descobriram que uma fração de 1,5% a 7% de nosso DNA é única.
Equipe de cientistas produziu o sequenciamento do genoma da lagosta americana mais completo até hoje – e ele pode revelar como o crustáceo, que vive até 100 anos, raramente sofre com o câncer.
O genoma de todo ser vivo é picotado antes de ser lido. A #MulherCientista desta semana usa algoritmos para juntar os pedaços de volta na ordem certa.
80 gramas. E vale lembrar: só 1,2% disso de fato são genes operacionais.
O valor de 242 trilionésimos de grama ficou acima do esperado – segundo os pesquisadores, devido a presença de estruturas ainda desconhecidas que dão suporte a nossas moléculas de DNA.
Pessoas que vivem mais de 105 anos podem ter genes que reparam o DNA
Ciência

Pessoas que vivem mais de 105 anos podem ter variantes genéticas que reparam DNA

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 14 Maio 2021, 12h26 - Publicado em 14 Maio 2021, 12h22
Pesquisa realizada na Itália sequenciou o genoma de 81 centenários e encontrou mudanças na expressão de três genes que podem explicar a longevidade.
A #MulherCientista desta semana lê o DNA de pacientes para aconselhá-los – e, em 2020, participou do desenvolvimento de um teste nacional para o coronavírus.
Cientistas encontram o primeiro animal que tem genes de planta no DNA
Ciência

Cientistas encontram o primeiro animal que possui um gene de planta no DNA

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 2 abr 2021, 17h54 - Publicado em 2 abr 2021, 17h46
Esse trechinho de DNA ajuda o Bemisia tabaci a neutralizar as toxinas dos vegetais que come – e provavelmente chegou nele de carona com um vírus que estava em uma folha mordida.
Cientistas criam células artificiais que podem se dividir como bactérias
Ciência

Cientistas criaram células com o menor DNA do mundo – e agora elas podem se reproduzir

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 31 mar 2021, 11h04 - Publicado em 30 mar 2021, 18h00
O organismo foi criado em laboratório em 2016, mas se duplicava de forma estranha. Agora, cientistas encontraram os genes que faltavam para fazer ele se reproduzir como uma bactéria.
A #MulherCientista dessa semana já desvendou adaptações evolutivas na população mexicana, a rota de expansão dos primeiros nativos no Brasil e as ondas migratórias dos primeiros humanos na América.
Cação é um termo guarda-chuva, que se refere a qualquer tipo de tubarão ou raia. A #MulherCientista de hoje lê o genoma dos filés para saber se o consumidor está comprando gato por lebre – ou comendo uma espécie ameçada.
Cientistas sequenciam genoma de mamutes com 1 milhão de anos (recorde de + antigo)
Ciência

Com 1,2 milhão de anos, DNA mais antigo do mundo revela como mamutes evoluíram

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 18 fev 2021, 20h26 - Publicado em 18 fev 2021, 19h03
Quebrando o recorde anterior de 700 mil anos, o material genético foi extraído de amostras de dente do animal e revelou, inclusive, uma espécie desconhecida.
Genes egoístas, pausas durante o sexo e checagem pré-fecundação.
O sistema imunológico feminino regula melhor a reação ao vírus. A #MulherCientista desta semana busca uma explicação para esse fenômeno no complexo sistema de transcrição das instruções contidas em nosso genoma.
peixe-pulmonado-australiano_site
Ciência

Peixe australiano tem o maior genoma de um animal já sequenciado

Por Bruno Carbinatto Atualizado em 20 jan 2021, 10h13 - Publicado em 20 jan 2021, 10h12
Ele é o parente mais próximo da espécie que saiu da água e deu origem aos animais terrestres. E seu genoma pode indicar como esse processo ocorreu.
SI_423_DNA-do-Brasil_site
Ciência

A história do Brasil contada pelos genes

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 15 fev 2021, 14h37 - Publicado em 14 jan 2021, 11h33
80% dos genomas sequenciados até hoje no mundo são europeus. Mas um projeto chamado DNA do Brasil quer mudar esse placar. A importância disso não é só recontar nossa história. É também tornar a medicina do futuro mais igualitária.
A primeira ocorreu há 6 mil anos. Parentes de indígenas da Amazônia chegaram na segunda onda, há 2,5 mil anos.
Análise de protistas Picozoas (parentes das amebas) mostra que eles carregam material genético de vírus que não teriam motivo para infectá-los.
Conhecer os genomas brasileiros, que misturam heranças africanas, europeias e nativas, é importante para a medicina de precisão – que busca desenvolver tratamentos personalizados com base no DNA de cada paciente.
Análise genética mostra que havia Vikings morenos, com genes de várias partes da Europa
História

Análise genética mostra que Vikings não se resumiam a escandinavos

Por Carolina Fioratti Atualizado em 21 set 2020, 11h46 - Publicado em 17 set 2020, 18h03
Eles carregavam gene de nativos da Sibéria e de povos do Mediterrâneo, realizavam expedições em família e, até certo ponto, escolhiam aderir ou não ao estilo de vida saqueador.
Publicidade