Newsgames Newsgames

Por Atualizado em 31/07/2015

Animação recria clássico de Hitchcock com visual de jogo old school

psycho

Esqueça o remake de “Psicose” dirigido por Gus Van Sant, em 1998. 55 anos depois do lançamento do clássico do suspense de Alfred Hitchock, o brasileiro Fernando Rangel recriou o filme em uma versão com visual e linguagem de game 16 bits. A homenagem inclui cenas clássicas como a facada no banheiro e a “verdade” sobre a mãe do serial killer Norman Bates. Confira a homenagem abaixo:

Por Atualizado em 27/03/2015

Capa do livro "Medo e Delírio em Las Vegas" do Hunter S. Thompson.
Capa do livro “Medo e Delírio em Las Vegas” do Hunter S. Thompson.

Hunter S. Thompson foi um jornalista e escritor americano, famoso por ter criado o gonzo journalism – estilo de reportagem em que o autor se torna personagem e a objetividade vai para o espaço. Da mente psicodélica de Thompson saíram duas reportagens que viraram livros clássicos: “Hells Angels” (sobre a gangue de motoqueiros americanos) e “Medo delírio em Las Vegas” (que virou filme, no qual Thompson é interpretado por Johnny Depp). Thompson também serviu de inspiração para Spider Jerusalem, protagonista das HQ “Transmetropolitan“.

Antes de fazer tudo isso, no entanto, o jovem Hunter S. Thompson escreveu uma bela carta para um amigo desiludido, sobre o sentido da vida. Traduzi a carta aqui, mas compartilho com vocês um trecho interessante:

“A questão é : flutuar com a maré ou nadar em direção ao seu objetivo. É um escolha que todos nós precisamos fazer, conscientemente ou inconscientemente, em algum momento de nossas vidas. E tão poucos entendem isso! Pense em algo que você já fez e que teve alguma relevância no seu futuro: posso estar enganado, mas não vejo como isso não poderia ser uma escolha, mesmo que indireta, entre essas duas coisas que mencionei: flutuar ou nadar.

Mas por que não se deixar flutuar, se você não tem um objetivo? Esta é outra questão.É inquestionavelmente melhor desfrutar o “flutuar” do que nadar sem caminho certo.Então, como um homem encontra seu objetivo? Não um castelo encantado, mas algo real e tangível. Como um homem pode ter certeza de que ele não está atrás de sua “Big Rock Candy Mountain” – o sedutor e doce objetivo que tem um pouco de sabor, mas nenhum conteúdo?

A resposta – e, de certo modo, a tragédia da vida – é que nós procuramos entender o objetivo e não o homem. Nós definimos um objetivo que exige certas coisas para ser atingido; e nós as fazemos. Nos ajustamos às exigências de um conceito que NÃO PODE ser válido. Quando você era jovem, digamos que você quisesse ser um bombeiro. Eu me sinto razoavelmente seguro em dizer que você não quer mais ser um bombeiro. Por quê? Porque sua perspectiva mudou. Não foi o bombeiro que mudou, mas você. Todo homem é resultado da soma das suas reações a experiências. Como suas experiências diferem e multiplicam, você se torna um homem diferente e, consequentemente, sua perspectiva muda. E isto segue para sempre. Cada reação é um processo de aprendizado; cada experiência significativa altera sua perspectiva.”

Gostou da reflexão do Dr. Gonzo? Leia tudo aqui!

Por Atualizado em 15/01/2015

Em agosto de 2013, eu e minha esposa (a editora da SUPER, Karin Hueck) pedimos demissão de nossos empregos para passar um ano investigando a felicidade e repensando nossas vidas. Lemos diversos livros, assistimos palestras e entrevistamos especialistas e pessoas com histórias de vida incríveis. Transformamos essa grande reportagem em um site chamado Glück Project, onde compartilhamos nossas dúvidas e descobertas com milhares de leitores. Depois de um ano debruçados sobre o tema, chegamos à algumas conclusões prévias que compartilhamos com os leitores no vídeo abaixo:

Por Atualizado em 13/01/2015

pimp-city-reportagem-multimidia

A Fusion é uma rede de conteúdo digital americana focada nos jovens (“de millenials para millenials”, como eles mesmo se definem). Parceria entre a Disney e a Univision, ela parece ser a tentativa das gigantes de comunicação em criar conteúdo moderno sobre os temas do momento. Um dos trabalhos dos caras que vale a pena ser conferido é o especial multimídia “Pimp City” (que eu chamei no título de “Cidade dos cafetões”). “Pimp City” é uma das melhores grandes reportagens já feitas pra web. Funde vídeos, textos, quadrinhos e fotos numa história de fôlego que apura como uma pequena cidade de 10.000 habitantes no México abriga mansões e milionários que vivem do tráfico de  escravas sexuais para os EUA. Vale muito a pena dar uma checada, se você fala um pouco de inglês. 

Por Atualizado em 08/01/2015

10-pessoas-inspiradoras-2

Quais foram as pessoas e projetos que te inspiraram em 2014? No Glück Project – projeto que criei na Alemanha para investigar a felicidade – fizemos uma retrospectiva para pensar ideias com as quais aprendemos e que nos fizeram querer realizar coisas maiores. Abaixo, eu listo essas pessoas incríveis e seus projetos inovadores.

Quem sabe elas não te inspiram a fazer coisas tão legais que apareçam na nossa listinha do ano que vem?

Juliana de Faria e Think Olgaum think tank que pariu a campanha Chega de Fiu-Fiu (contra o assédio sexual nas ruas), o projeto 100 vezes Cláudia (homenagem à mãe de família assassinada pela polícia em uma favela no Rio) e o Entreviste uma mulher, entre outros.

Professor Luiz Henrique Rosa, que conseguiu transformar um quintal abandonado de escola pública numa mistura de instalação e sala de aula, onde as crianças aprendem de maneira multidisciplinar e de forma divertida

360 Meridianos, três jovens que criaram um site de viagens, abandonaram os empregos tradicionais e se tornaram nômades digitais.

Malala, a paquistanesa que ganhou o Prêmio Nobel da Paz aos 16 anos por lutar pelo direito das mulheres de assistirem aulas numa região dominada pelo Talibã

Alessandra Orofino, criadora da rede Meu Rio, que busca fazer as pessoas participarem diretamente da política e revolucionar as cidades onde vivem. Ela já conta com 160 mil participantes.

Eduardo Lacerda, que com R$5.000 criou a premiada Editora Patuá em um quarto de sua casa e tem investido no lançamento de  jovens autores de ficação sem cobrar pela publicação.

Põe na Roda, o canal de vídeos do Youtube que usa humor para garantir milhares de visualizações aos seus vídeos que debatem as causas do movimento gay.

É Nóis, o projeto de Nina Weingrill e Amanda Rahra que começaram dando aulas de jornalismo para crianças carentes no Capão Redondo e hoje tocam uma agência de conteúdo jovem com a participação desses jovens, uma plataforma de ensino à distância e  – de quebra – melhoraram as notas na escola desses estudantes. 

Brain Pickings, o excelente trabalho da búlgara Maria Popova que mudou para os Estados Unidos, criou um site sobre “criatividade, literatura e arte” e hoje vive do seu projeto.

Agência Públicaum projeto independente e sem fins lucrativos que tem procurado renovar os temas e formas de fazer jornalismo

Quer saber mais sobre esses 10 projetos inspiradores? Leia o texto completo do Glück!