Blogs

40 filmes com finais surpreendentes (com spoilers)

31 de agosto de 2012

A história do cinema é marcada por revelações bombásticas. Nem toda reviravolta no enredo teve um bom resultado. Mas, sem dúvida, estas cartas na manga são quase infalíveis para que uma produção fique por mais tempo gravada na memória. Se a sua anda enferrujada, a gente ajuda recapitulando alguns finais surpreendentes das últimas décadas nas telonas. Veja uma galeria com imagens de todos filmes desta lista.

Selecione os textos abaixo de cada título para encontrar a revelação surpreendente de cada um.

‘Star Wars – Episódio V: O império contra-ataca’ (George Lucas, 1980)
Darth Vader é pai de Luke Skywalker (e da Princesa Leia)

‘Psicose’ (Alfred Hitchcock, 1960)
A mãe de Norman Bates está morta há tempos. Ele se vestiu com as roupas dela para cometer crimes.

‘O sexto sentido’ (M. Night Shyamalan, 1999)
Dr. Malcolm Crowe está morto – é por isso que sua mulher o ignora. E é por isso que Cole o enxerga.

‘Clube da luta’ (David Fincher, 1999)
Tyler Durden não é real. Ele e o outro protagonista são a mesma pessoa.

‘Planeta dos macacos’ (Franklin J. Schaffner, 1968)
O planeta dos macacos é a Terra. Os astronautas não viajaram no espaço, apenas no tempo.

‘A vila’ (M. Night Shyamalan, 2004)
Ao sair da floresta, a mocinha descobre que vive nos dias de hoje – e a vila é só uma maneira que os habitantes mais velhos encontraram para manter os jovens longe dos perigos do ‘mundo real’. E que os monstros da floresta são uma armação para manter todos os habitantes da vila longe da floresta – e longe da verdade.

‘Os outros’ (Alejandro Amenábar, 2001)
Grace e seus filhos SÃO os outros – e morreram há muito tempo.

‘Dogville’ (Lars von Trier, 2003)
Quando a mulher é encontrada pelo pai criminoso, ela ordena que todos os habitantes da cidade sejam assassinados e se vinga das humilhações que passou.

‘Cidade de sonhos’ (David Lynch, 2001)
As duas protagonistas são a mesma pessoa. Supostamente. Porque, bem… é David Lynch – e nunca dá pra ter certeza.

‘Os suspeitos’ (Bryan Singer, 1995)
Verbal Kint é Keyser Söze, o assassino. Ah, e ele não tem paralisia cerebral.

‘Chinatown’ (Roman Polanski, 1974)
Além de ser seu amante, Noah Cross também é pai de Evelyn Mulwray. E de Catherine. E é também o assassino.

‘Se7en’ (David Fincher, 1995)
O serial killer arquiteta muito bem os últimos dois crimes. O sexto, relacionado à inveja, é o assassinato da esposa de um dos detetives. E o sétimo, motivado pela ira, é o seu próprio assassinato. Pelas mãos do detetive que acabou de descobrir que sua mulher – GRÁVIDA – foi decapitada.

‘Desejo e reparação’ (Joe Wright, 2007)
Cecilia e Robbie nunca se reencontraram. Ele morreu na guerra. O reencontro dos dois só acontece no livro que Briony escreveu sobre o caso, e que se torna parte do filme.

‘A pele que habito’ (Pedro Almodóvar, 2011)
A cobaia dos experimentos do cirurgião é um homem, Vicente, em quem ele faz uma cirurgia de mudança de sexo e obriga a viver como sua amante.

‘Vertigo’ (Alfred Hitchcock, 1958)
A mulher não se suicidou. Era tudo um plano para enganar o detetive.

‘Psicopata americano’ (Mary Harron, 2000)
Todos os crimes violentos de Patrick Bateman são frutos da sua mente doentia. Nada aconteceu de verdade.

’12 macacos’ (Terry Gilliam, 1995)
Os sonhos perturbadores do protagonista não são sonhos. São memórias. Quando criança, ele testemunhou a morte de sua versão mais velha, que tinha sido enviada para o passado.

‘Corpo Fechado’ (M. Night Shyamalan, 2000)
Elijah orquestrou o acidente do começo da história – e vários outros acidentes com milhares de vítimas.

‘Garotas Selvagens’ (John McNaughton, 1998)
Na última reviravolta, descobre-se que Suzie, a rebelde, foi quem arquitetou todo o plano sozinha – e enganou todas as outras pessoas envolvidas na intriga.

‘Identidade’ (James Mangold, 2003)
Todos os 10 personagens fazem parte de apenas uma pessoa – e suas múltiplas personalidades.

‘Traídos pelo Desejo’ (Neil Jordan, 1992)
A cabeleireira e cantora Dil é, na verdade, um homem.

‘Jogos Mortais’ (James Wan, 2004)
O cadáver no chão é, na verdade, o homem que inventou todos os ‘jogos mortais’. E, claro, ele só está fingindo que está morto.

‘Sem saída’ (Roger Donaldson, 1987)
Tom não é inocente.

‘Cidadão Kane’ (Orson Welles, 1941)
Rosebud é, supostamente, o nome do trenó de Charles, e simboliza sua infância pobre.

‘Harry Potter e o Enigma do Príncipe’ (David Yates, 2009)
Snape matou Dumbledore. Nos volumes seguintes, descobrimos o porquê: Dumbledore já ia morrer – e tudo era um plano entre ele e Snape para despistar Lord Voldemort.

‘O Gabinete do Dr. Caligari’ (Robert Wiene, 1920)
Cesare, Francis e Jane são doentes mentais – e Dr. Caligari é o médico responsável por eles. Ou seja, nada do que aconteceu no filme foi real.

‘Monty Python em busca do Cálice Sagrado’ (Terry Gilliam e Terry Jones, 1975)
Todos os membros da corte do Rei Arthur são doentes mentais que fugiram de um hospital psiquiátrico.

‘O suspeito da Rua Arlington’ (Mark Pellington, 1999)
Faraday estava certo – seu vizinho era mesmo terrorista. Mas o protagonista não consegue desarmar a bomba a tempo. A explosão faz centenas de vítimas – e o terrorista continua a viver tranquilamente, impune.

‘As aventuras do Barão de Münchausen’ (Terry Gilliam, 1988)
Todas as histórias do Barão são falsas.

‘Uma mente brilhante’ (Ron Howard, 2001)
A sobrinha, o colega de quarto e o membro do Pentágono são, obviamente, ilusões de John Nash.

‘Ilha do medo’ (Martin Scorsese, 2010)
Teddy Daniels foi quem matou a própria esposa.  E é, também, um dos internos do hospital psiquiátricos.

‘A órfã’ (Jaume Collet-Serra, 2009)
Esther é, na verade, uma mulher psicótica de mais de 30 anos, que só queria seduzir o pai adotivo e destruir a família de Kate.

‘Sexta-feira 13′ (Sean S. Cunningham, 1980)
A assassina é a mãe de Jason.

‘O grande truque’ (Christopher Nolan, 2006)
Alfred tem um irmão gêmeo, e é por isso que consegue realizar truques inacreditáveis. Ele esconde esta verdade até mesmo de sua mulher.

‘Oldboy’ (Chan-wook Park, 2003)
Mi-do é a filha de Oh Dae-Su.

‘No mundo de 2020′ (Richard Fleischer, 1973)
Soylent Green é feito de carne humana.

‘Sobre meninos e lobos’ (Clint Eastwood, 2003)
Jimmy mata Dave, acreditando que foi ele quem matou sua filha. Mas não foi. Os assassinos são dois adolescentes.

‘Donnie Darko’ (Richard Kelly, 2001)
Donnie nunca foi salvo pelo coelho. E morreu quando o avião caiu em sua casa. Toda a sua felicidade não passou de uma alucinação.

‘Amnésia’ (Christopher Nolan, 2000)
Foi o próprio Leonard que matou a sua esposa.

‘As Diabólicas’ (Henri-Georges Clouzot, 1955)
Michel não morreu. Era tudo um plano entre ele e Nicole para se livrar de Christina. Quando Christina descobre, ela tem um ataque e morre. Supostamente.

Comente!