GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

A regra é não ter regra

Embora estejam encolhendo, as famílias não correm o risco de desaparecer. Mas elas deverão se afastar cada vez mais do modelo tradicional

Cláudia de Castro Lima

Seu pai trabalha fora, sua mãe fica em casa cuidando dos quatro filhos e seus irmãos, quando terminam os estudos, casam-se e saem de casa? Se a resposta for afirmativa, saiba que sua família está prestes a virar peça de museu. Nos últimos 30 anos, o modelo tradicional de família sofreu profundas alterações. Crianças acostumaram-se a ter duas casas por causa do divórcio dos pais. Mães e pais solteiros começaram a tornar-se comuns. Mulheres entraram no mercado de trabalho e passaram a sustentar suas casas. Casais homossexuais saíram do armário e adotaram filhos… Nos próximos 20 anos, segundo vários pesquisadores, a tendência é que esses novos modelos familiares se consolidem. Todos eles.

Isso quer dizer que não vai existir uma “família-modelo” como a de nossos pais ou avós. No começo do século passado, as famílias eram quase sempre iguais. O núcleo era patriarcal: o pai fazia as vezes de “homem da família”, trabalhava fora e era o único responsável pelo sustento da mulher e dos vários filhos. À mãe cabia o papel de educadora dos filhos e “rainha do lar”. Ela cuidava da limpeza da casa, do preparo das refeições, da educação das crianças. Os filhos cresciam, estudavam e saíam de casa assim que arrumavam o primeiro emprego – para casar-se e começar a mesma história tudo de novo.

Mas, nas últimas décadas, o conceito de família começou a se alterar profundamente. A seqüência casamento-sexo-filho mudou – muitas vezes, já nem existe o casamento. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2002 mostram que os brasileiros estão se casando cada vez menos. A taxa de matrimônios caiu de 8 por mil habitantes em 1990 para 5,7 por mil em 2001. Enquanto isso, no mundo todo, as taxas de coabitação, ou seja, de pessoas que simplesmente vão morar juntas, triplicou. Aqui no Brasil, entre 1991 e 2000, esse tipo de união chegou a 28,9% do total.

Por outro lado, o divórcio, que apareceu no século 20 como um dos principais agentes de mudança da família tradicional, não pára de crescer. Nos últimos 30 anos, os índices dobraram. No Brasil, estima-se que, a cada dez casamentos, três acabem em separação. É cada vez mais comum encontrar crianças que dividem seu tempo entre a casa da mãe e a do pai.

Outra mudança considerável foi o aumento do número de pais solteiros. Nos Estados Unidos, o número deles aumentou em 25% nos últimos cinco anos. No Brasil, dados do último censo do IBGE revelam que o crescimento foi ainda mais significativo. Em dez anos, o número de homens que cuidam de seus filhos em casa subiu 74,5%. No mesmo período, o número de mães solteiras cresceu 58,8%.

A FAMÍLIA ENCOLHEU

Especialistas acreditam que tendências como divórcio, coabitação, filhos fora do casamento e pais solteiros serão ainda mais pronunciadas em 2020. Ao mesmo tempo, as famílias nos moldes tradicionais devem continuar encolhendo. De acordo com o IBGE, em 1980 as famílias tinham, em média, 4,5 integrantes. Em 1992, o tamanho médio passou para 3,7 pessoas. Em 2001, caiu para 3,3 pessoas.

“Isso não quer dizer que as famílias vão desaparecer”, diz a psicanalista Belinda Mandelbaum, do Laboratório de Estudos da Família, Relações de Gênero e Sexualidade do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). “A família é universal e tem diversas funções. Atende a necessidades econômicas, uma vez que é muito mais fácil manter-se com ajuda de alguém; tem função afetiva, já que é uma espécie de ancoradouro dos indivíduos; e tem função social, pois é através dos laços que formam uma família que o tecido social fica coeso. E isso tudo não vai mudar.”

Para Belinda, a família tem a capacidade de se adaptar ao momento histórico. “A entrada da mulher no mercado de trabalho, por exemplo, foi um fator fundamental para a mudança da família dos últimos tempos”, diz. De fato, de acordo com o IBGE, hoje existem 13,8 milhões de famílias (27,3% do total) nas quais a mulher é a “pessoa de referência”. Ou seja, é ela quem trabalha e coloca dinheiro na casa.

Belinda acredita que, nos próximos 20 anos, a regra será não ter regra. “Não vai haver uma fórmula, porque as opções são múltiplas.” Quer um exemplo? Embora as estatísticas apontem a tendência de famílias menores, Belinda diz que vem percebendo uma mudança ainda não refletida nas pesquisas: o retorno das famílias extensas. “Antigamente, era muito comum, principalmente no ambiente rural, que avós, pais e netos vivessem juntos”, diz. “Hoje em dia, por causa do desemprego, muitos pais de família, com seus filhos, estão voltando para a casa de seus pais. E são eles, os aposentados, que mantêm a todos.”

O novo Código Civil Brasileiro, que entrou em vigor em 2003, é um reflexo da mudança comportamental da família. A começar pela definição de “família”. No antigo Código, de 1916, a família legítima era a formada pelo casamento formal. Já no novo conjunto de leis, o conceito abrange as unidades familiares formadas por casamento, união estável ou comunidade de qualquer genitor e descendente.

Se, por um lado, o século passado se caracterizou por profundas mudanças na estrutura familiar, os próximos anos devem ser marcados pela consolidação de aceitação de todas essas mudanças. Quando o divórcio surgiu, os casais que optavam por ele eram estigmatizados. Hoje é perfeitamente comum e aceitável. Segundo especialistas, o mesmo deverá ocorrer, em alguns anos, com os pais solteiros e com os casais homossexuais.

TENHO DOIS PAIS

Famílias completas compostas de pais gays e mães lésbicas costumam se enquadrar em uma das três situações seguintes: a) pessoas que assumem a homossexualidade depois de um casamento heterossexual no qual tiveram filhos; b) homossexuais que adotam filhos; c) lésbicas que fazem inseminação artificial. Embora esse fenômeno ainda não tenha sido dimensionado no Brasil, acredita-se que a situação seja similar à dos Estados Unidos. Lá, 22% dos casais gays têm a guarda de seus filhos.

O interessante é que justamente esse grupo parece buscar o modelo antigo de família. “Um fenômeno atual e bastante curioso é que há uma espécie de luta entre os componentes de um casamento homossexual para que ele seja reconhecido como família, como um casal realmente”, diz a psicanalista Belinda. “Eles tomam como referência a tradicional família burguesa na medida em que tentam ser um casal que apresenta as funções masculina e feminina, paterna e materna. Eles podiam tentar algo revolucionário, mas apenas buscam manter o status quo.”

Todas essas mudanças podem dar um nó na cabeça das pessoas – principalmente das crianças. Uma pesquisa britânica mostra, por exemplo, que filhos de pais divorciados têm, em média, uma taxa de aprendizado educacional menor que a de filhos de pais casados. Além disso, famílias pequenas e dispersas podem trazer à tona um sentimento nada agradável: a solidão. Para combatê-la, vai ser cada vez mais comum pessoas “adotarem” seus amigos como parte da família – como acontecia no finado seriado de TV Friends. “Do ponto de vista sociológico e antropológico, a família é uma relação de alianças, afinidades e também de consangüinidade”, diz Belinda. “Mas, do ponto de vista psicológico, os amigos podem ser vistos como uma família que não existe.”

Na opinião da psicóloga Renate Vicente, coordenadora do núcleo de Terapia Familiar da PUC do Paraná, os próximos anos serão um período de superação de algumas contradições. “As mães que trabalham fora ainda são condenadas pela sociedade quando os filhos têm problemas, por exemplo. E acabam se culpando”, diz. Renate “Além disso, ninguém pode falar mal de casais homossexuais porque isso é preconceito, mas eles ainda não podem adotar filhos.” Para Renate, nos próximos anos isso tudo – com o perdão do trocadilho – vai ser coisa do passado. “Com certeza, será um tempo bom e teremos novos paradigmas. Que estarão aí para serem questionados novamente.”

Tendências

• DIMINUINDO

Em 1980, as famílias brasileiras tinham em média 4,5 integrantes. Em 2001, caíram para 3,3 pessoas. A tendência é que continuem encolhendo.

• DUPLO ENDEREÇO

Vai ser cada vez mais comum encontrar crianças que dividem seu tempo entre a casa da mãe e a do pai – a cada dez casamentos no Brasil, três acabam em separação.

• VOLTANDO PARA CASA

Por causa do desemprego, muitos pais de família, com seus filhos e tudo, estão voltando para a casa dos pais. E os avós sustentam todo mundo.

• AMIGOS

Para combater a solidão, muita gente vai “adotar” seus amigos como parte da família – como acontecia no seriado de TV Friends.