ORÁCULO

A partir de quantos andares um prédio precisa ter elevador?

Nossos leitores estão usando o profundo conhecimento do Oráculo para promover grandes eventos pagãos, como o churrasco

por Cartola - Agência de Conteúdo

CHURRAS DA ENGENHARIA

Apostei com um colega valendo um churrasco com cerveja liberada. A partir de quantos andares é obrigatório colocar elevador em um edifício?
Kaio Vinícius Soares de Sá
Taiobeiras, MG

E aí, Kaio, ouvindo muito Bon Jovi? (piada válida aos fiéis leitores do Oráculo que se lembram da edição de setembro) A instalação de elevadores é determinada por cada município. Mas, para atender a normas de acessibilidade, há uma lei federal que diz que prédios com pelo menos 2 andares e onde não more somente uma família devem facilitar a instalação de elevadores adaptados para cadeirantes. Ou seja, quase ninguém respeita. Agora diga o dia do churrasco.

ASPIRINÓLATRAS ANÔNIMOS

Li textos que falam que há uma forma de identificar viciados em aspirina por um modo de falar. Mas eu não encontrei qual é.
Renata Bastos
São Paulo, SP

Segundo o psicanalista Rubens Volich, professor do Instituto Sedes Sapientiae, essa fala de aspirina não é reconhecida cientificamente. Antigamente, embalagens de aspirina vinham com a mensagem "Não faz mal ao coração". Depois descobriu-se que ela pode fazer bem, com acompanhamento médico. "Como pode tudo mudar", já cantava o Charlie Brown Jr.

OXÍMORO DA FÍSICA

Como pode o frio queimar?
Alessandro Cordeiro
Abaetetuba, PA

Suponho que esse não seja o problema em Abaetetuba, cidade com tantas vogais no nome quanto graus no termômetro: média de 32 ºC. Mas por que congelamento queima? Queimadura por frio é o congelamento da água das células da pele ou do sangue. Normalmente, ocorre nas extremidades, como orelhas, nariz, mãos e pés. Os primeiros sintomas são vermelhidão e dor. Depois, a lesão evolui para necrose (morte do tecido), o que pode levar à perda de partes da região afetada. Nada com o que vocês no Pará precisem se preocupar. Por enquanto.

LINGUÍSTICA MÍSTICA

Ouço os mais velhos falarem "Cão do quinto livro" referindo-se a pessoas ruins. A expressão tem ligação com o livro do Apocalipse ou com a Idade Média?
Igo Dimitri Martins
Jaboatão dos Guararapes, PE

Sinistro, muito sinistro. Só que não. Segundo o jornalista recifense Fred Navarro, autor do Dicionário do Nordeste, na região não se fala "Cão do quinto livro", mas "Cão do segundo livro". No Nordeste, a palavra "cão" é muito usada como sinônimo de diabo. E, há um século, havia um cão no segundo livro que se usava no ensino primário. A expressão significa 3 coisas: pessoa má, feia ou boa em algo, capaz de proezas - o que deve ser o seu caso, fera.

ASTRONOMIA VLOGUEIRA

Por que a ciência afirma que a Terra não tem luz própria, sendo que existe o magma? Fiz um vídeo sobre isso no meu vlog. Tiro do ar ou ele faz sentido?
Raphael Pessoa Dias
Nova Lima, MG

A rigor, você está certo. Mas, em termos de luz óptica, a que enxergamos, a quantidade gerada pela Terra é insuficiente para considerarmos que ela emite luz. Ao visitar amigos em Marte, a luz que você verá da Terra será reflexo do Sol. Erupções vulcânicas e auroras boreais e austrais são esporádicas. A luz das cidades não, mas ela também é irrelevante. Sobre o vídeo, ele é bem editado, mas tem erros conceituais. Quem esquentou o interior da Terra não foi o Big Bang, mas a contração da nuvem de gás primordial do Sistema Solar. É, fazer um vídeo legal sobre isso é missão para o Mundo de Beakman.

publicidade

anuncie

Super 339 - Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles? Assine a Super Compre a Super

Superinteressante ed. 339
novembro/2014

Humanos: caem as fronteiras entre nós e os animais
Novas descobertas deixam claro: chimpanzés têm idiomas, cultura, fazem política, tecem redes sociais e praticam caridade. Chegou a hora de conferir direitos humanos a eles?

- sumário da edição 339
- folheie a Superinteressante

Você está na área: Cultura

publicidade

anuncie