GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Como funciona a MOAB – a mãe de todas as bombas

A mais poderosa bomba não-nuclear do mundo leva 8,4 toneladas de explosivos – e é ideal para destruir instalações militares subterrâneas

Se você pudesse passar hoje pelos depósitos da Força Aérea dos Estados Unidos, ia ser fácil descobrir quem manda. Não é uma pessoa, mas tem nome curto e grosso: MOAB. É, na verdade, uma sigla que, em inglês, tem dois significados possíveis. Um, o sério e oficial, é Massive Ordnance Air Blast – que, em português, é algo como “explosão aérea de imenso poder de fogo”. O outro, engraçadinho, é Mother of all Bombs: a mãe de todas as bombas. Com dez toneladas de peso e quase dez metros de comprimento (só um pouco menor e mais leve que um ônibus urbano), ela é o mais poderoso artefato explosivo não-nuclear do mundo – capaz de devastar uma área de algumas centenas de metros em torno do local do impacto.

A GBU-43 – designação técnica da bomba – foi projetada e produzida a toque de caixa durante a invasão norte-americana no Iraque em 2003. Na época, foram efetuados dois testes, mas ela não chegou a ser usada em uma operação militar real. Bem, isso até 12 de abril de 2017. O noticiário internacional foi pego de surpresa quando uma Moab foi lançada às 19h32 no horário local (2h32 desta quinta, no horário de Brasília) sobre uma rede de túneis da “sucursal” afegã do Estado Islâmico (ISIS), no distrito de Achin, província de Nangarhar.

Veja também

Ainda não foram divulgadas informações sobre a eficiência do ataque e o número total de mortos e feridos, e o secretário de imprensa de Donald Trump, Sean Spicer, não revelou se o presidente ordenou o ataque pessoalmente ou se foi o Pentágono o responsável pela escolha da arma. Em uma coletiva de imprensa, o topete mais polêmico do mundo se limitou a enfatizar a autonomia das forças armadas. “Todo mundo sabe exatamente o que aconteceu (…) Nós temos as maiores forças armadas do mundo e eles fizeram seu trabalho como costumam fazer.  Eu dei autonomia total a eles, e é isso que eles vem fazendo. E, francamente, é por isso que eles andam tendo tanto sucesso ultimamente.”, cravou o presidente americano.

Uma coisa é certa: essa imensa bomba não é eficiente só pelo dano físico, mas também pelo terror psicológico – e seu impacto midiático é adequado a retórica adotada por Trump desde o início de sua campanha. “A coisa mais incrível na Moab não é que ela é a bomba mais poderosa do mundo. Mas que ela faz seu trabalho – deter o inimigo – simplesmente porque ele sabe da existência dela”, afirmou em 2008 Robert Hammack, um dos responsáveis pelo projeto.

Essa mãe de pavio curto não quer saber de ir pendurada debaixo da asa de um avião – afinal, isso é lugar de filhote. Ela é montada sobre trilhos no porão adaptado de um avião de carga C-130, o famoso Hércules. Quando a aeronave está sobre o alvo, sua porta traseira se abre em pleno voo, e a Moab é lançada. Para a garantir a precisão – afinal, você não tem duas chances – ela é guiada por GPS durante a queda, e é auxiliada por um paraquedas no início do processo. No vídeo abaixo, de 2003, é possível acompanhar o passo a passo do lançamento e a explosão subsequente. Também dá para ter uma noção prática do tamanho do artefato: basta ter em mente que o avião tem 30 metros de comprimento.

 

De suas mais de 10 toneladas, 8,4 são recheio. No caso, o explosivo H6, uma mistura de TNT, alumínio e RDX (conhecido na química como ciclotrimetilenotrinitramina). Algumas bombas são feitas para causar dano físico direto a seus alvos – espalhando fragmentos de metal em alta velocidade. Já a Moab explode uma fração de segundo antes de atingir o chão, a 1,8 m de distância do solo. A ideia é arrasar uma área de cerca de um quilômetro em torno do epicentro da explosão com fortíssimas ondas de choque – uma técnica ideal para, à exemplo do que foi feito no Afeganistão, demolir complexos subterrâneos.

A bomba é só mais uma na árvore genealógica da destruição. A Moab é mãe, mas já existiu uma avó. Antes dela, foi usada na Guerra do Vietnã a “Daisy Cutter” (BLU-82), uma gigante de 6,8 toneladas famosa por transformar qualquer trecho de floresta em um área de pouso segura para um helicóptero. Instantaneamente, é claro.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s