Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Como é feito o seguro de grandes obras de arte?

Casas de leilões e avaliações de especialistas podem ajudar a acertar o preço. Veja qual qual foi o valor de seguro mais caro da história – a dica está na foto.

Por Maria Clara Rossini Atualizado em 6 jul 2021, 11h13 - Publicado em 13 Maio 2021, 16h52

Existem seguradoras só para isso. O primeiro passo é estimar o valor da peça. O proprietário da obra (seja um colecionador individual ou um museu) deve informar o valor a ser segurado. Se a obra foi adquirida em um leilão, o lance final é a base para o cálculo. Quando a obra nunca foi negociada, especialistas fazem uma estimativa que considera época, autor, movimento artístico, relevância para o acervo da instituição. 

Qualquer “valor” que se atribua a uma obra de arte é subjetivo, pois cada peça é única e insubstituível. A seguradora ainda pode confirmar o valor informado pelo proprietário por meio de uma equipe de avaliação e relatórios de casas de leilões tradicionais. A centenária Christie’s, por exemplo, leiloou a obra Salvator Mundi, de Leonardo da Vinci, por U$450.3 milhões em 2017 (R$2,5 bilhões pela cotação atual).

O valor ressarcido em caso de perda total pode até acabar sendo mais alto que o valor de mercado da obra. Isso acontece, por exemplo, se um quadro contém inovações estilísticas, mas não vai bem em leilões. “Retratos de pessoas, por exemplo, normalmente têm um valor de mercado muito inferior – porque o comprador quer o rosto de alguém com quem ele não tem relação nenhuma estampado na sala”, disse Cecília Winter, restauradora do Museu de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), em entrevista à Super em 2020. “Mas essa obra pode ter um refinamento de técnica, uma inovação que é importante para a história da arte, então o valor de seguro dela seria maior do que o valor de mercado”.

O seguro total de uma exposição de arte pode passar dos bilhões de reais. Curiosamente, o valor que o museu paga para contratar o seguro (“prêmio”, no jargão da seguradora) é baixo, porque perdas totais são muito raras. A organização de uma exposição é tão cuidadosa que as chances de uma perda parcial ou total das obras são ínfimas. Você pode conhecer mais sobre os bastidores das exposições de arte nesta reportagem.

  • Danos passíveis de restauração são mais comuns. Nesse caso, o seguro cobre a restauração da obra. Apesar de serem raros, existem exemplos de obras totalmente perdidas – vide o incêndio do Museu da Língua Portuguesa em 2015 e do Museu Nacional em 2018. Em caso de perda total, a companhia de seguros envia seus especialistas para inspecionar a propriedade e os registros que comprovam a perda antes de repassar o valor ao cliente.

    Continua após a publicidade

    Segundo fontes do MASP, a instituição nunca precisou acionar o seguro para suas obras. Isso aumenta a credibilidade do museu e mostra o cuidado que ele tem com as peças, o que pode diminuir o valor pago à seguradora durante a negociação da apólice. O MASP faz um contrato anual com a seguradora que cobre o acervo fixo e exposições temporárias.

    O seguro de obra de arte mais caro da história não poderia ser outro: Mona Lisa. Em 1963, ela ficou exposta nos Estados Unidos a pedido da primeira dama Jackie Kennedy. Na época, o seguro da obra cobria um valor de U$100 milhões – o equivalente a U$865 milhões em valores atuais (ou R$4,7 bilhões).

    O Abaporu é a tela brasileira mais “valiosa” no mercado de arte, com seguro de U$45 milhões (R$270 milhões). No entanto, ela saiu do Brasil por bem menos: o colecionador argentino Eduardo Constantini comprou a obra em 1995 por U$2,5 milhões (R$23 milhões pela cotação atual). Hoje, ela está exposta no Museu de Arte Latino-Americana, em Buenos Aires – mas fez uma breve visita ao Brasil em 2019, tornando a exposição “Tarsila Popular” a mais visitada da história do MASP.

    Fontes: Cristiane Rodrigues, Head of Art da AXA XL no Brasil. Marina Moura, coordenadora de exposições do MASP.

    Pergunta de @kaltowski, via Instagram

    Continua após a publicidade
    Publicidade