Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail bruno.vaiano@abril.com.br.

Como os satélites na órbita da Terra fazem para não bater uns nos outros?

Eles podem usar pequenos propulsores para ajustarem suas órbitas, mas isso raramente é necessário: o céu é bem mais organizado que uma avenida terráquea.

Por Bruno Vaiano 10 mar 2021, 11h45

Eles podem usar pequenos propulsores para manobrar e evitar colisões. Isso aconteceu, por exemplo, em setembro de 2019, quando a Agência Espacial Europeia (ESA) elevou a altitude de um aparelho para evitar que ele fosse atingido por um dos minissatélites de internet Starlink, da SpaceX. Não existe piloto automático: a ESA percebeu o risco com cinco dias de antecedência e deu o comando.

A questão é que esse tipo de coisa não deve acontecer e raramente acontece. O espaço é… espaçoso. E os operadores cuidam para não posicionar novos satélites em órbitas concorridas. Ao final da vida útil, esses artefatos usam suas últimas gotas de combustível para acessar órbitas-cemitério isoladas ou reentrar na atmosfera da Terra, onde o atrito com o ar os desintegra.

  • Caso o risco do satélite causar algum dano na superfície do planeta seja maior que 1 em 10 mil, recomenda-se uma manobra mais precisa, que faça a nave cair em uma área isolada do Pacífico.

    A ESA calcula que, dos 9.600 satélites já lançados, 5.500 ainda estejam em órbita, e só 2.300 permaneçam operacionais. Ou seja: mesmo com os protocolos de descarte, ainda há um bocado de lixo espacial – e muitos pesquisadores pensando em soluções para esse problema.

    Pergunta de @mateusarena, via Instagram

    Fontes: National Environmental Satellite Data and Information Service, da NOAA; ESA; Luiz Gadelha, engenheiro aeroespacial, UFABC.

    Continua após a publicidade
    Publicidade