Clique e assine a partir de 8,90/mês
Oráculo Por Blog Pode perguntar que a redação da SUPER responde: oraculo@abril.com.br

Qual a diferença entre iídiche e hebraico?

Por Oráculo - Atualizado em 21 dez 2016, 09h06 - Publicado em 25 nov 2014, 14h46

Ó grandioso Oráculo, mestre do saber, “sapioso guru”: quais são as diferenças entre hebraico e iídiche, se é que existem?
Samuel Antunes

Yiddish_WWI_poster2

 

Samuca, o iídiche é uma mistura de várias línguas, entre elas o hebraico, dialetos do alemão medieval e eslavismos. Ambos são falados por judeus. O hebraico, que surgiu entre 1.5000 a.C. e 2.000 a.C. na região de Canaã, atual Israel, é uma língua oriental e semítica, assim como o aramaico e o árabe. Na escrita, há apenas consoantes, e os sons de vogal são marcados por sinais em cima das letras. “É uma língua que tem muita lógica e seus verbos são constituídos por três letras, que podem ser identificadas nas palavras, revelando seu significado”, explica Genha Migdal, responsável pelo curso de ídiche da USP.

Já o ídiche apareceu por volta dos séculos 10 e 11, perto da fronteira entre França e Alemanha. O idioma foi criado para fazer segredo. “Ele surgiu como um dialeto do alemão medieval a partir da necessidade dos judeus de falarem entre si sem que os cristãos os compreendessem”, afirma o supervisor do setor de hebraico da Faculdade de Letras da UFRJ, Leopoldo Oliveira. Diferentemente de sua língua-mãe, o iídiche é uma língua ocidental que utiliza a grafia hebraica, com o acréscimo de vogais, e que sofreu influência dos dialetos germânicos medievais – a base do ídiche. É por isso que muitos o conhecem como “judeu-alemão”.

Continua após a publicidade

A diáspora dos judeus para o resto da Europa durante o século 13 – principalmente para o Leste do continente – e a gripe espanhola fizeram o iídiche ganhar influências de outros idiomas. “Ele é uma língua de fusão, constituída por cerca de 35% de elementos germânicos, 30% de componentes hebraicos, 30% de eslavismos e 5% de elementos internacionais”, afirma Genha. O extermínio de judeus durante o Holocausto quase extinguiu o iídiche. Atualmente, quem fala o idioma são as gerações mais velhas e aqueles que têm interesse acadêmico.

Publicidade