Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Se Conselho Fosse Bom Por Blog Coluna semanal de perguntas práticas, sentimentais e existenciais enviadas por leitores da SUPER. Por Karin Hueck

“Peguei o meu marido vendo pornografia. O que eu faço?”

O que fazer se seu companheiro passa noites em claro vendo filmes pornô?

Por Karin Hueck 13 jul 2018, 15h13

Sou casada há 8 anos e gosto muito do meu marido, ele é companheiro, carinhoso e um bom pai para nossa filha e a nossa cachorrinha. Nossa vida sexual já foi mais agitada, namoramos de vez em quando, não é aquela coisa do começo, mas acho que está bom para quem está casado faz tempo. Outro dia, acordei no meio da noite e vi que ele não estava na cama. Quando fui para a sala, ele estava vendo pornografia, sendo que tinha ido dormir comigo! Não sei o que fazer agora, tenho medo de que ele esteja insatisfeito. Também me sinto “traída” sabendo que ele se atrai por outras mulheres. Não falei com ele na hora e não toquei no assunto, mas não consigo esquecer. O que eu faço?
– Bela adormecida

– Cara bela adormecida
Fiquei tensa ao ler a sua mensagem. Achei que o seu marido estava fazendo algo horrível na escuridão da noite — mas que bom que era só pornografia. Vídeos pornográficos, é verdade, não são a coisa mais legal do mundo. Uma vez que você sabe como os filmes pornôs são feitos — o que envolve a exploração de pessoas, situações reais de abuso e estupro, DSTs, violência e sequelas físicas e mentais para os atores —, fica difícil defender a prática. Mas, para o seu casamento, não representam uma ameaça. Quase todo homem (e muitas mulheres) assiste pornografia regularmente — e isso não quer dizer que os relacionamentos vão mal. E outra verdade incontornável: seu marido (e você também) se atrai por outras pessoas — e não é a pornografia que faz isso. Não se sinta traída porque seu marido se retirou do quarto para fazer um ~ato privado~, inspirado por um vídeo feito a milhares de quilômetros de distância. Agora, se você quer afastá-lo de vez da pornografia, assista com ele o documentário Hot Girls Wanted, na Netflix. É um banho de água fria.

Publicidade