Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como Stephen Hawking conseguia falar?

O cientista só podia operar um computador e falar graças a um leve movimento de sua bochecha direita – o único que lhe restava no fim da vida

Por Vanessa Vieira Atualizado em 11 set 2020, 11h36 - Publicado em 23 nov 2011, 22h00

O físico britânico Stephen Hawking, 76 anos, ajudou a entender a origem do Universo, o papel dos buracos negros e, de quebra, escreveu as 262 páginas do maior best-seller da ciência para leigos: Uma Breve História do Tempo. E fez isso sem conseguir mover o corpo.

O problema dele: aos 21 anos, foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica, doença que afeta células nervosas responsáveis pelo controle da musculatura. Os médicos lhe deram 2 anos de vida. A doença afetou a fala, cada vez mais desarticulada, mas ele conseguia se comunicar. Ditou à secretária o rascunho do livro em 1984.

No ano seguinte, porém, Hawking teve uma pneumonia grave e precisou fazer uma traqueostomia de emergência. Foi então que perdeu de vez a voz. Mudo e quase todo paralisado, passou a levantar uma sobrancelha quando alguém apontava para letras. Mais tarde adotou o software Equalizer, que permite escrever frases selecionando palavras de um menu com um toque da mão. Por fim, um sintetizador de voz instalado com o Equalizer trouxe de volta a fala, ainda que eletrônica.

Hawking ocupou a cadeira de Isaac Newton na Universidade de Cambridge até 2009 comunicando-se apenas com um botão. E reclamava: “O sintetizador me dá um sotaque americano”.

O software que Hawking usava para falar pode ser baixado gratuitamente – tem até versão em português, mas só roda em Windows – para auxiliar outras pessoas com limitações de movimento a se comunicar e utilizar um computador.

Continua após a publicidade

A supercadeira

Como Hawking escrevia e pronunciava seus discursos

1. Um tablet era instalado em um suporte de metal acoplado a um dos braços da cadeira.

2. No menu havia termos prontos, como “sim”, e uma lista de palavras em ordem alfabética, além da função “soletrar”.

3. Um sensor infravermelho nos óculos captava movimentos da bochecha direita, usados para escolher as frases.

4. O texto completo era enviado a um sintetizador, que criava a voz simulando entonação, segundo Sam Blackburn, assistente de Hawking. O som saia atrás do suporte do computador.

5. Para palestrar, ele escrevia o discurso antes. Na hora da participação, enviava ao sintetizador uma frase por vez, o que deixava a fala mais natural.

Hawking no dia a dia

Stephen Hawking tem na cadeira de rodas um controle remoto universal que usa para acender luzes, abrir portas e usar TV, DVD e aparelho de som.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)